De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o número de vítimas fatais por infecção poderia ser reduzido em até 25%

Motivo de preocupação global, o coronavírus já chegou a 62 países e atingiu mais de 90 mil pessoas, ultrapassando 3 mil mortes. Uma das medidas sugeridas para evitar a contaminação é fazer a manutenção de hábitos de higiene.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, recentemente, um estudo alarmante: de acordo com a pesquisa, mais de 95% da população mundial não lavam as mãos regularmente. E os impactos da falta de cuidados nesses casos não se restringem ao novo surto. Segundo a OMS, milhares de pessoas morrem diariamente devido a infecções que poderiam ser evitadas com essa medida simples, pois trata-se de uma maneira efetiva de diminuir as chances de transmissão de germes.

A organização estima, ainda, que cerca de 25% das mortes infecciosas poderiam ser reduzidas com o desenvolvimento do hábito. Intoxicações alimentares, diarreia e pneumonia são exemplos de condições que, dependendo do paciente, podem ser mortais; anualmente, 3,5 milhões de crianças menores de 5 anos de idade são vítimas fatais de tais ocorrências.

(Fonte: Unsplash)

Multiplicação de germes

O Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos, em material orientativo, explica que as contaminações ocorrem, em grande parte, por contato com as fezes de pessoas e animais. O material fecal é fonte de microrganismos que podem espalhar infecções, e apenas 1 grama pode conter mais de 1 trilhão de germes. Ainda assim, eles podem ser transmitidos de outras formas.

Um único indivíduo pode transferir microrganismos para diversas pessoas, principalmente ao tossir e espirrar, pois as gotículas geradas podem ficar nos objetos ao redor. Além disso, muitas pessoas frequentemente tocam os próprios olhos, nariz e boca sem perceberem, facilitando a entrada de bactérias e vírus. Dependendo da condição, germes também podem se multiplicar em comidas e bebidas, o que faz com que o preparo de tais alimentos ou líquidos com as mãos sujas seja um convite às infecções.

Para conscientizar a população sobre a importância do hábito, foi criado o Dia Mundial de Lavar as Mãos, comemorado em 15 de outubro. A data visa encorajar a adoção de cuidados de higiene no dia a dia.

Método eficaz de prevenção

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a pele consiste no revestimento externo do organismo e é indispensável à vida, pois isola componentes orgânicos do meio exterior e impede a ação de agentes externos de qualquer natureza, além de outras funções. Por conta disso, é constantemente exposta a vários tipos de microrganismos do ambiente.

Vírus, bactérias e fungos, particularmente leveduras, podem ser transmitidos pelas mãos; logo, no controle de surtos de infecção, a higienização das mãos exerce um papel fundamental, principalmente quando aliada ao uso de produtos como álcool em gel.

Apesar das evidências, esse problema de saúde mundial ainda não é combatido de maneira adequada. "Várias doenças podem ser evitadas de forma eficiente apenas com o cuidado redobrado com a higiene das mãos", afirma o infectologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Edimilson Migowski. O pesquisador complementa que lavar as mãos frequentemente reduz "bastante a incidência de diversas doenças infecciosas, como conjuntivite, gripe, resfriado, gastroenterite".

(Fonte: Shutterstock)

Práticas recomendadas

A OMS definiu passos simples para manter a higiene e evitar infecções, bastando, no processo, apenas água e sabonete ou mesmo álcool em gel. Em apenas alguns minutos, com a atenção devida, deve-se lavar as mãos, principalmente nas seguintes situações: ao lidar com alimentos; dedicar cuidados a uma pessoa doente; depois de usar o banheiro, trocar fraldas, assoar o nariz, tossir ou espirrar; após tocar um animal ou itens relacionados a ele; e lidar com lixo.

Outras recomendações, entretanto, não devem ser ignoradas. Um estudo mostrou que a tela de um celular tem, em média, 30 vezes mais bactérias que um banheiro público. Em declaração sobre as recentes epidemias, o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta aconselhou: "É preciso reforçar os hábitos de higiene e lavar as mãos com água e sabão. Em caso de sintomas como febre, tosse ou dificuldade de respirar, o Ministério da Saúde orienta a procurar uma unidade de saúde e informar o histórico de viagem".

Fontes: Estadão, CDC, News Boston, Ministério da Saúde, FayerWayer, Worldometer, Anvisa, Global Washing Day.