Estudos no mundo todo pesquisam a influência da imunização pela vacina BCG na disseminação do coronavírus

A vacinação massiva com Bacilo Calmette-Guérin (BCG) pode ser a causa de um menor número de mortes por covid-19 em alguns países. Essa hipótese é defendida por cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos e estudada por pesquisadores de várias nações, inclusive do Brasil.

No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e as associações médicas brasileiras aguardam evidências científicas para comprovar a relação e recomendam cautela na utilização do recurso.

Vacina BCG

(Fonte: Shutterstock)

A BCG existe há 100 anos e já foi administrada em 3 bilhões de pessoas. Nos países em que faz parte do programa de imunização infantil, é aplicada em mais de 80% dos recém-nascidos para evitar mortes por tuberculose. Normalmente, uma imunização protege contra um patógeno específico, mas algumas vacinas vivas atenuadas, como a BCG, podem fornecer proteção também contra patógenos não relacionados.

A BCG demonstrou epidemiologicamente diminuir a taxa de infecções respiratórias e ser eficaz contra a meningite. Evidências experimentais em animais e humanos apontam que essa vacina também tem efeitos inespecíficos no sistema imunológico, gerando proteção contra outras doenças, como a febre amarela.

Relação com covid-19

(Fonte: Shutterstock)

Esses argumentos apoiam a hipótese dos cientistas Paul Hegarty, do Hospital Universitário Mater Misericordiae, na Irlanda, e Andrew DiNardo, da Faculdade de Medicina Baylor, nos EUA. Os dois defendem que a vacinação com BCG influencia a evolução dos casos de covid-19. Locais como Espanha, Itália e EUA, onde não é obrigatório tomar a vacina, lideram o número de mortes causadas por coronavírus no mundo.

Para comprovar a tese, a pesquisa verificou o índice de mortalidade por covid-19 em 178 países entre 9 de março e 24 de março. Em 131 localidades, foram identificados programas nacionais de vacinação com BCG; enquanto em 21 não há nenhuma campanha; e em 26 essa informação nem é conhecida.

Os pesquisadores concluíram que, em comparação com os países sem a vacinação, houve diminuição na incidência de mortes provocadas pelo coronavírus onde a vacina é aplicada. Nos locais sem vacinação de BCG, aconteceram 40 óbitos por milhão de pessoas, enquanto nos países com políticas de vacinação o resultado foi inferior a 5 mortes por milhão.

A incidência de casos de covid-19 foi de 38,4 por milhão nos países que aplicam a vacina. Nas nações sem aplicação, o número de pacientes infectados por coronavírus foi dez vezes maior, alcançando 358,4 casos por milhão.

Benefícios imunológicos

Na ausência de uma imunização específica contra a covid-19, os pesquisadores defendem que a BCG pode ter um papel na redução do impacto das infecções causadas pelo novo coronavírus. Uma pesquisa liderada pelo Dr. Mihai Netea, no Radboud University Medical Center, na Holanda, documenta o mecanismo de benefícios não específicos induzidos pela BCG.

Após a estimulação imune com o bacilo, há aumento na glicólise, que desencadeia alterações epigenéticas duradouras. Isso torna o sistema imunológico capaz de responder a infecções causadas por organismos como Candida, Staphylococcus aureus, Pneumococo e até vírus.

Controvérsias

A OMS alerta que não há evidências de que a BCG protege contra a infecção provocada pelo novo coronavírus. O organismo identificou três pré-impressões (publicadas online, sem a revisão de outros cientistas) comparando a incidência de casos de covid-19 com a vacinação. No entanto, alerta que os estudos podem ser influenciados por demográficas nacionais, pelo número de testes realizados e, ainda, pelo estágio da pandemia em cada país.

Até o momento, a OMS desaconselha a vacinação com BCG para a prevenção da covid-19, mas continua recomendando a imunização para recém-nascidos em locais com alta incidência de tuberculose. A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), o Grupo Brasileiro de Imunodeficiências (Bragid) e o Jeffrey Modell Foundation Brasil — Centro São Paulo divulgaram um comunicado alertando que o estudo tem falhas metodológicas significativas e não deve ser utilizado como orientação clínica.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) ressalta que muitos outros fatores podem interferir na mortalidade e na letalidade da covid-19. A associação argumenta que os dados apresentados pelos autores não são absolutamente conclusivos sobre o papel da BCG na luta contra o coronavírus. Aponta, ainda, que o estudo foi realizado em um momento em que diversos países ainda não haviam alcançado os platôs da doença.

Estudos clínicos em andamento

Para comprovar a eficácia da vacinação de BCG em pacientes com covid-19, a OMS produziu dois protocolos para estudos clínicos. Pesquisas estão sendo desenvolvidas na Austrália, Alemanha, Grécia e Holanda. No Brasil, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovações (MCTIC) destinou R$ 600 mil a um grupo de cientistas que vão testar o uso da BCG como prevenção de covid-19 em profissionais de saúde. O estudo clínico deverá durar quatro meses e será realizado em três centros hospitalares no Rio de Janeiro (RJ) e em Manaus (AM).

Fontes: Organização Mundial da Saúde, NCBI, Research Gate, Urotoday, MedRxiv, SBim, MCTIC, Science Magazine.