Infecção já provocou 81 mortes na China e chegou a 13 países

O coronavírus chinês está preocupando autoridades e civis do mundo. Pouco se sabe sobre a doença, que até 27 de janeiro deste ano já infectou mais de 2.744 pessoas na China e causou 81 mortes no País. Porém, é fato que essa é uma nova variação da família coronaviridae, responsável pela epidemia da síndrome respiratória aguda grave em 2002.

O vírus teve sua primeira aparição na província de Wuhan, no centro da China. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os coronavírus são transmitidos de animais para humanos, mas especialistas ainda não conseguiram encontrar a origem animal dessa doença misteriosa.

Um estudo feito pelo Centro de Análise de Doenças Infecciosas Globais do Imperial College de Londres afirma que o total de afetados pela doença seria maior. "É provável que o surto de um novo coronavírus em Wuhan tenha causado um número de doenças respiratórias leves ou moderadas substancialmente maior do que o divulgado", diz o texto produzido com a OMS.

Em coletiva, a entidade admitiu a possibilidade de transmissão do novo vírus entre humanos. O governo chinês afirmou que o contágio pode acontecer de pessoa para pessoa pelo ar, por meio do contato com secreções corporais, como partículas de saliva presentes na tosse. Dependendo do vírus, um aperto de mão pode levar ao contágio.

(Fonte: Roslan Rahman/AFP)

Cenário mundial

Estados Unidos, Japão, Tailândia e Coreia do Sul já confirmaram casos da doença; aeroportos da Inglaterra e da Austrália criaram áreas separadas para passageiros que estão voltando da China. Devido ao alto fluxo de viagens que iriam ocorrer durante a comemoração do Ano-Novo Lunar Chinês, a festividade foi cancelada como medida de prevenção em Pequim e Wuhan.

Quais são os sintomas do coronavírus?

Os coronavírus causam doenças similares a um resfriado e geralmente afetam o sistema respiratório. Entre os sintomas estão nariz escorrendo, tosse, dor de cabeça, dor de garganta e, em alguns casos, pode ocasionar febre. Crianças e idosos, por terem um sistema imunológico mais frágil, podem ser afetados de maneira mais severa, com bronquite e até mesmo pneumonia. Homens idosos com problemas de saúde são os mais afetados pelo vírus.

Existem outras manifestações da família coronaviridae, como a síndrome respiratória do Oriente Médio e a síndrome respiratória aguda (conhecida pela sigla em inglês SARS). Segundo a CNN, os sintomas do vírus que surgiu em Wuhan demoram para se desenvolver no corpo humano, sendo que apenas 15% a 20% dos quadros se tornaram graves. Em casos já confirmados, pacientes descreveram sentir uma tosse leve junto de falta de ar.

Tratamento e prevenção

(Fonte: Shutterstock)

O tratamento para a doença ainda não foi confirmado, mas estão sendo feitas pesquisas, inclusive de vacinas para a prevenção. É indicado que, se os sintomas perdurarem mais do que o tempo normal de um resfriado, um médico seja acionado imediatamente. Por isso, é válido incorporar na rotina o consumo de muita água e repouso.

Para evitar contágio, é recomendado evitar contato com pessoas infectadas, lavar as mãos com frequência e não colocá-las nos olhos, no nariz ou na boca. É importante lembrar de cobrir a mão ao tossir e espirrar.