Segundo pesquisa, crianças com sono tardio aliado a herança de sobrepeso, podem desenvolver obesidade infantil

Atualmente muitas crianças passam horas em frente ao smartphone ou ao tablet, seja jogando ou vendo vídeos. Esse hábito pode levá-las a ter dificuldades com sono, seja indo dormir mais tarde ou dormir poucas horas. O problema é que, segundo alguns pesquisadores, tais práticas podem levar as crianças a terem obesidade infantil.

De acordo com a pesquisa publicada no Pediatrics, o jornal oficial da Academia Americana de Pediatria, crianças entre os 2 e 6 anos de idade correm o risco de desenvolver obesidade se forem dormir após às 21h. Isso ocorre porque, de acordo com o estudo, esse grupo que ficava mais tempo acordado tinha um aumento em seu Índice de Massa Corpórea (IMC), o que acarretava, dentre outros problemas, o crescimento da circunferência na região da cintura. Esse problema se potencializa nos casos em que os pais dessas crianças já sofrem com o sobrepeso ou obesidade.

Os testes

O estudo faz parte do Projeto de Prevenção de Obesidade de Estocolmo, realizado na Suécia, que recrutou 238 famílias para fazerem parte dos estudos desse projeto. Para o teste da relação entre obesidade e sono, 107 crianças foram selecionadas, sendo 64 do controle de alto risco de obesidade e 43 do controle de baixo risco de obesidade. O sono das crianças foi medido por sete dias seguidos, utilizando como medidor um dispositivo no pulso para registrar as atividades do sono, além do preenchimento de um diário com os detalhes do sono feito pelos pais.

(Fonte: Shutterstock)

Além desses dados, outras variáveis foram levadas em consideração, como o peso, a altura, a largura da cintura, o nível de escolaridade e o estado civil dos pais, a quantidade de atividade física praticada pela criança, as condições de vida, entre outros aspectos relevantes ao contexto. Todas essas informações se juntaram à análise do sono com o intuito de formar uma base sólida para o estudo.

Um dos apontamentos encontrados é que a relação entre dormir tarde e o aumento de peso não possui conexão direta com a duração do sono pois, de acordo com os dados encontrados, ter um sono mais curto não era o principal fator para a obesidade das crianças.

Para o referido estudo, foi adotado o entendimento de que a obesidade dos pais é o fator mais importante do contexto familiar para contribuir no aumento do IMC infantil, ou seja, no sobrepeso das crianças. Isso porque, para as crianças que têm pais com sobrepeso ou obesidade, ter o sono tardio faz com que haja maior incidência de obesidade, no que a pesquisa chama de ‘transferência geracional de obesidade’.

O próprio estudo ainda leva em consideração outras pesquisas, como as que apontaram a ocorrência de maior acúmulo de adiposidade em famílias de baixa renda e com pouca escolaridade, somados a estilos de vida que causavam mais estresse.

Com esse conjunto de informações foi possível perceber que as crianças de 2 a 6 anos, com destaque para aquelas que fazem parte do grupo de alto risco de obesidade, que dormem mais tarde – considerado a partir das 21 horas – foram as que tiveram maior incidência de aumento da adiposidade, principalmente notado a partir do crescimento da circunferência da região da cintura.

(Fonte: Shutterstock) 

É importante dizer que não há unanimidade entre os pesquisadores sobre o fato do horário ser diretamente o responsável pelo sobrepeso da criança. Para eles, isso pode ser apenas o reflexo de hábitos exagerados por parte da família, o que resulta em vários problemas, como a obesidade. Já outros estudiosos entendem o sono como um dos fatores principais para o desregulamento, já que noites seguidamente mal dormidas podem gerar disfunções, como o aumento da vontade de comer.

O que fazer

De acordo com os pesquisadores, há nesses casos estudados um reflexo da vulnerabilidade familiar, ou seja, de outros fatores que também acabam por fazer com que as crianças tenham esse horário de sono irregular. Para isso, é importante dar mais atenção aos hábitos do cotidiano, para fazer com que a criança tenha horários mais precisos de fazer as suas ações, como estipular a hora do banho, do jantar e de desligar os aparelhos eletrônicos.

Fazer esses reajustes faz parte de um plano de prevenção, para diminuir as chances da criança ter obesidade infantil, ainda mais se ela fizer parte do grupo de risco. O caminho é organizar as atividades da família para que dormir tarde seja uma exceção e não uma regra.

Fontes: Pediatrics, Health Line.