Coronavírus: o que é e quais são os principais sintomas

23 de janeiro de 2020 5 mins. de leitura
Infecção já foi registrada em mais de 150 países

O novo coronavírus está preocupando autoridades e civis, sendo uma nova variação da família coronaviridae, responsável pela epidemia da síndrome respiratória aguda grave (SARS) em 2002. A nova doença, chamada de covid-19, já infectou mais de 300 mil pessoas no mundo, sendo causada pelo vírus que teve sua primeira aparição na província de Wuhan, no centro da China.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os coronavírus são transmitidos de animais para humanos, mas especialistas ainda não conseguiram encontrar a origem dessa doença misteriosa. A entidade afirmou na última segunda-feira (23) que houve aumento de 100 mil casos de covid-19 no mundo em quatro dias. “A pandemia está acelerando”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. O novo coronavírus levou 11 dias para atingir 200 mil casos e outros 4 dias para chegar a 300 mil, ainda de acordo com a organização.

No Brasil

O Brasil já tem mais de 2,2 mil casos confirmados de covid-19. Segundo o Ministério da Saúde (MS), já foram registradas 46 mortes pela doença. São Paulo é o estado mais afetado pelo vírus, com 745 registros. Ainda de acordo com dados do MS, a região sudeste representa 60% dos infectados pelo novo coronavírus e a região norte, 3,1%.

Todos os estados brasileiros já registraram casos da doença, e muitos governadores estão aplicando medidas de isolamento social, como o fechamento de escolas e shoppings. São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas e Rio Grande do Sul tiveram óbitos pela covid-19, de acordo com os último balanços estaduais.

Pesquisadores do Observatório Covid-19 BR, que reúne físicos de sete universidades, alertaram que a progressão do vírus no País continua alta e o ritmo de contágio segue rápido e constante.

(Fonte: Roslan Rahman/AFP)

Na China, epicentro da doença, os últimos relatos são positivos. O país detectou 47 novas ocorrências nos últimos dias, mas todas importadas, ou seja, os infectados contraíram o vírus no exterior, e não em solo chinês. Desde o início da epidemia, foram registrados 80.967 casos, dos quais 71.150 já receberam alta.

Pequim já está retomando a vida normal após o isolamento, e o fim das restrições de deslocamento em Wuhan foi decretado. Ainda assim, a triagem e a quarentena estão mantidas para quem chega do exterior.

A Espanha superou e China em número de mortos pela covid-19. O país ibérico já contabilizou 3.434 óbitos, sendo 738 entre os dias 24 e 25 de março. O governo determinou confinamento quase total, mas acredita que a região ainda não atingiu o pico de contágios. Em contrapartida, o Ministério da Saúde espanhol anunciou aumento no número de pacientes curados, chegando a 5.367 casos bem-sucedidos.

Há um mês, a Itália registrou o primeiro caso do novo coronavírus em seu território, e a OMS acredita que o país também ainda não teve seu pico de contágio. O país havia registrado queda no número de doentes, mas em 24 horas contabilizou 743 novas mortes. Em entrevista ao jornal La Repubblica, o chefe da agência de proteção civil italiana, Angelo Borrelli, afirmou que pode haver dez vezes mais casos dos que os registrados oficialmente.

Quais são os sintomas do coronavírus?

Os coronavírus causam doenças similares a um resfriado e geralmente afetam o sistema respiratório. Entre os sintomas mais comuns estão coriza, tosse seca, dor de cabeça, dor de garganta febre e fadiga.

Idosos, por terem o sistema imunológico mais frágil, podem ser afetados de maneira mais severa, com bronquite e até pneumonia. O grupo de risco da covid-19 inclui pessoas acima de 60 anos de idade, com problemas respiratórios ou diabéticas.

Existem outras manifestações da família coronaviridae, como a síndrome respiratória do Oriente Médio e a síndrome respiratória aguda (SARS). Segundo a CNN, os sintomas do vírus que surgiu em Wuhan demoram para se desenvolver no corpo humano. Em casos confirmados, pacientes descreveram tosse leve e falta de ar.

Tratamento e prevenção

O tratamento para a doença ainda não foi confirmado, mas estão sendo feitas pesquisas, inclusive de vacinas para a prevenção. É indicado que, se os sintomas perdurarem mais do que o tempo normal de um resfriado, um médico seja acionado imediatamente, por isso é válido incorporar na rotina o consumo de muita água e repouso.

(Fonte: Shutterstock)

Para evitar contágio, é recomendado não manter contato com pessoas infectadas, lavar as mãos com frequência e não tocar os olhos, o nariz ou a boca. Também é importante lembrar de cobrir a boca e o nariz com o braço ao tossir e espirrar.

Fontes: BBC, Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde.

Gostou? Compartilhe!