Estresse elevado pode ocasionar ataques cardíacos em torcedores

23 de março de 2020 3 mins. de leitura
Partidas de futebol com um alto nível de tensão são responsáveis por aumentar os índices de cortisol no sangue em proporções perigosas

Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, fãs devotos de futebol experienciam tamanha intensidade de estresse físico ao acompanhar suas equipes do coração que podem estar se colocando em risco de sofrer um ataque cardíaco. Os resultados são provenientes de testes feitos com a saliva de torcedores durante a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

O grupo de pesquisadores recolheu amostras de 40 torcedores durante e após o fim de três partidas do torneio. Entre os jogos escolhidos, o mais estressante não poderia ter sido outro: a semifinal da Copa. A humilhante derrota brasileira por sete a um para a equipe da Alemanha fez com que homens e mulheres presentes no estádio apresentassem níveis altíssimos de cortisol no corpo, quadro característico de momentos muito estressantes.

O cortisol pode ser perigoso por aumentar consideravelmente a pressão sanguínea e causar uma forte tensão nos músculos do coração. Além dos fatores já citados, uma exposição prolongada a altos índices de cortisol podem ser fatais para um coração já enfraquecido.

Em entrevista ao jornal britânico BBC News, a Dra. Martha Newson, pesquisadora no Centro de Estudos de Coesão Social em Oxford, disse que fãs muito apegados a seus times apresentam níveis muito mais altos de estresse durante uma partida de futebol em comparação com torcedores casuais.

Ao presenciar diversos torcedores desabando em lágrimas durante o enfrentamento de Brasil e Alemanha em 2014, a Dra. Newson sugeriu que os estádios diminuíssem a iluminação e tocassem músicas relaxantes após o término de partidas mais emocionantes para auxiliar na redução do estresse.

Casos recentes de infarto

(Fonte: Pixabay)‌‌

Em 2019, dois torcedores do Flamengo morreram em decorrência de ataques cardíacos após a equipe se tornar campeã da Copa Libertadores da América. O time rubro-negro enfrentava o River Plate, da Argentina, na final do campeonato e perdia até os últimos instantes. Em menos de cinco minutos, os cariocas viraram o jogo e saíram vitoriosos em uma partida digna de muita emoção.

O alto estresse gerado pela situação fez com que Valdecir Rosa de Farias e Washington Vasconcellos, ambos de 41 anos, falecessem após sofrerem infartos. Valcedir morava em Cuiabá e não resistiu a uma parada cardíaca enquanto comemorava o segundo gol de sua equipe. Já Washington era cearense e assistia à partida em casa com sua filha de dez anos. O torcedor teve um mal súbito e foi levado pelos vizinhos para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) mais próxima, mas não aguentou.

O estatuto do torcedor

(Fonte: Pixabay)

O Art. 16 do Estatuto do Torcedor define alguns parâmetros que devem ser respeitados para a realização de um evento esportivo de larga escala. Visando à proteção de torcedores e atletas, a Lei nº 10.671/2003 define como dever das entidades organizadoras da competição contratar seguro de acidentes pessoais, tendo como beneficiário o torcedor portador do ingresso, e também torna obrigatória a presença de um médico e dois enfermeiros para cada dez mil torcedores no estádio, assim como uma ambulância para a mesma proporção.

Fontes: BBC, Jusbrasil.

Gostou? Compartilhe!