Kit-covid: venda de medicamentos no Brasil subiu 857%

8 de junho de 2021 3 mins. de leitura
Mesmo sem eficácia comprovada no combate à covid-19 a venda dos fármacos disparou no País

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

De acordo com a Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos (Abradilan), a venda de fármacos sem comprovação científica contra o novo coronavírus, como ivermectina, hidroxicloroquina e azitromicina, que ganharam fama com o nome de “kit-covid” durante a pandemia, teve uma alta de 857% nas vendas no Brasil entre abril de 2020 e março de 2021.

Foram reunidos dados de 32 Centros de Informação de Assistência Toxicológica (Ciats) que integram a Rede Nacional de Centros de Informação Toxicológica (Renaciat) para chegar ao resultado. Entre os fármacos que fazem parte do kit, a maior alta de vendas ocorreu com a ivermectina, que costuma ser indicada para o tratamento de parasitoses. 

Segundo as informações, entre abril de 2018 e março de 2019 foram vendidas 7,6 milhões de caixas de ivermectina e, entre o período de abril de 2019 a março de 2020, 8,5 milhões — um aumento de 11% em comparação com o ano anterior, quando a pandemia iniciou. 

Efeitos colaterais do kit-covid preocupam médicos

Foram vendidas 8,5 milhões de doses do medicamento ivermectina entre abril de 2019 a março de 2020. (Fonte: Shutterstock)
Foram vendidas 8,5 milhões de doses do medicamento ivermectina entre abril de 2019 a março de 2020. (Fonte: Shutterstock)

Simultaneamente ao aumento de vendas do kit-covid houve um crescimento expressivo de pacientes que tiveram problemas no fígado devido ao uso indiscriminado do medicamento, o que acarretou em diversos casos de intoxicação.

Segundo a Abradilan, os médicos tomaram conhecimento do fato e seguem alertando do risco de desenvolvimento da hepatite medicamentosa em quem usa a ivermectina de forma descontrolada, sem supervisão médica. Além disso, entre os efeitos colaterais, podem-se citar: complicações no sistema digestivo, insuficiência renal e arritmia cardíaca.

Outro medicamento que faz parte do kit-covid é a hidroxicloroquina. O maior estudo sobre a substância, publicado no mês de abril de 2021 na revista Nature, concluiu que a hidroxicloroquina está associada ao aumento de mortes.

Especialistas seguem alertando para risco do desenvolvimento da hepatite medicamentosa em quem usa a ivermectina de forma descontrolada. (Fonte: Shutterstock)
Especialistas seguem alertando para risco do desenvolvimento da hepatite medicamentosa em quem usa a ivermectina de forma descontrolada. (Fonte: Shutterstock)

Segundo informações do Conselho Federal de Medicina, o aumento nas vendas é reflexo de uma pressão sobre as farmácias, devido às declarações e medidas adotadas por representantes do governo federal. 

“A verdade é que os medicamentos estão sendo prescritos pelos médicos. Com as falas do presidente (Jair Bolsonaro) e a defesa de outros membros do governo, isso criou uma pressão muito grande em cima dos profissionais de Saúde. Os pacientes muitas vezes ouvem o que diz o presidente e entendem que pode haver uma saída”, disse Marcos Machado, do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (CFF-SP), segundo o portal da Abradilan.  

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: ABRADILAN, Conselho Federal de Farmácia.

Este conteúdo foi útil para você?

94490cookie-checkKit-covid: venda de medicamentos no Brasil subiu 857%