Ômicron: por que a democratização das vacinas é fundamental?

11 de janeiro de 2022 5 mins. de leitura
Monopólio de países ricos sobre as vacinas é injusto e pode levar ao surgimento de variantes como a ômicron

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Enquanto países pelo mundo começam a identificar os primeiros casos da variante B.1.1.529 do coronavírus, a Ômicron, a Organização Mundial da Saúde (OMS) faz apelos para que o mundo repense a estratégia de vacinação.

A co-diretora da Aliança Africana para a Distribuição de Vacinas, Ayoade Olatunbosun-Alakija, ganhou destaque na mídia internacional ao criticar como se deu a vacinação no mundo. Alakija criticou países ricos que falharam em cumprir as promessas de doações de vacina, comprando e monopolizando um estoque maior do que necessitavam e que, ao saber da nova variante, mais uma vez isolaram o continente africano.

Continente africano tem 7% da população completamente vacinada. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Continente africano tem 7% da população completamente vacinada. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Muitos países, inclusive o Brasil, emitiram um comunicado de fechamento das fronteiras para a África do Sul e outras nações africanas poucos dias após a descoberta da Ômicron. Mais tarde, quando países da América do Norte e da Europa registraram os casos, nenhum país estendeu o fechamento de fronteira para estes.

Por que a preocupação com a Ômicron?

Nova variante apresenta muitas mutações na proteína Spike. No coronavírus, é essa proteína que se liga às células humanas, começando a sua reprodução e, portanto, a infecção. Se, em alguma dessas variações, for formada uma variante que se adapte melhor ao hospedeiro, é provável que esta se reproduza muito rapidamente.

Além disso, há a preocupação sobre a eficácia das vacinas contra a Ômicron, uma vez que vários dos imunizantes agem exatamente sobre a Spike. Ainda não há dados conclusivos, mas por ora os cientistas acreditam que a imunização cria proteção contra o desenvolvimento de sintomas mais graves, mesmo contra a Ômicron.

O monopólio das vacinas pode criar um problema de longo prazo para o mundo. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
O monopólio das vacinas pode criar um problema de longo prazo para o mundo. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Causas para surgimento

Ao se reproduzirem, os vírus cometem erros genéticos que causam mutações, quando estas são benéficas ao vírus, a nova variante se reproduz mais e vai se tornando predominante. 

Lugares com pouca cobertura vacinal são propícios ao surgimento dessas variantes porque a transmissão e a circulação ampla do vírus possibilita mais reproduções e, portanto, mais variações. Enquanto a África do Sul tem 23% da população completamente vacinada, o continente africano tem apenas 7%.

Apesar da variante Ômicron ter sido descoberta na África do Sul, pode ser que ela não tenha surgido lá. Nesse sentido, o país é um dos poucos da região com tecnologia avançada para identificar variantes.

Dificuldade de vacinação na África

Os baixos índices de vacinação na África demonstram um problema estratégico na vacinação mundial. Logo que os laboratórios divulgaram a produção de vacinas, muitos países ricos fecharam acordos para segurar grandes partes do estoque. Alguns países, como os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá, compraram estoques maiores do que o necessário para a imunização completa da sua população.

O problema é que, ao se imunizar uma parte do mundo e não outra, não se garante a segurança, uma vez que as novas mutações podem ser resistentes à vacina e, portanto, o vírus pode voltar a circular. Além disso, é claro, existe o problema ético de usar a vantagem financeira, muitas vezes criada pela exploração do continente africano para se proteger e não estender essas condições a todo o mundo. Em locais vacinados, a transmissão do vírus é menor e, portanto, a probabilidade do surgimento de variantes também.

Alakija pontuou uma série de dificuldades que a África tem para a vacinação. A maioria dos países não tem verba para a aquisição dos imunizantes e depende de acordos internacionais de doação. Além disso, falta infraestrutura para que a logística da vacinação consiga ser efetiva e chegar aos lugares mais distantes e pobres dentro do prazo de validade das vacinas. Isso porque boa parte das doações recebidas consiste em imunizantes com o prazo de validade próximo do vencimento.

Também falta financiamento para campanhas de marketing sobre a segurança da vacinação; com essa falha de comunicação, boa parte da população se recusa a tomar o imunizante.

Todos esses problemas fazem alguns países, como a Etiópia e a Nigéria, terem vacinado apenas 2% da população, enquanto o Chade ainda não tenha sequer ultrapassado a marca de 0,2%.

Com a política internacional de vacinação que prejudica a África e os países fechando a fronteira para o continente, mas não para outros países que tenham apresentado casos da Ômicron, fica a pergunta: até quando a África sofrerá com um tratamento desigual?

Fonte: Forbes, World Health Organization, SEMG.

Este conteúdo foi útil para você?

114260cookie-checkÔmicron: por que a democratização das vacinas é fundamental?