Prefeitura de SP usará só vacina da Pfizer como dose de reforço

16 de setembro de 2021 3 mins. de leitura
O imunizante, indicado pelo Ministério da Saúde como injeção extra, não era prioridade na capital paulista

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

A Prefeitura de São Paulo passou a usar exclusivamente a vacina da Pfizer contra covid-19 na aplicação da terceira dose em idosos. A medida, que teve início no dia 15 de setembro, valerá enquanto houver indisponibilidade do imunizante produzido pela AstraZeneca, segundo a administração municipal.

Defendida pelo Ministério da Saúde, a combinação de fórmulas diferentes na injeção extra contra o coronavírus pode ajudar a reforçar a proteção das pessoas de mais idade e nos imunossuprimidos, principalmente em relação à variante Delta. Esses grupos tendem a apresentar uma resposta menor de anticorpos neutralizantes.

Segundo a Prefeitura de São Paulo, receberão a vacina da Pfizer como dose de reforço os idosos com mais de 85 anos que tomaram a segunda injeção ou a dose única há mais de seis meses. O público com 90 anos ou mais foi imunizado com a vacina disponível no momento, sem priorizar a fórmula da farmacêutica americana.

A vacina da Pfizer já estava sendo usada na imunização de outros grupos. (Fonte: Shutterstock/Flowersandtraveling/Reprodução)
A vacina da Pfizer já estava sendo usada na imunização de outros grupos. (Fonte: Shutterstock/Flowersandtraveling/Reprodução)

A chegada de um lote com 340 mil doses da vacina da Pfizer à cidade permitirá o abastecimento das Unidades Básicas de Saúde (UBS) nas quais os grupos elegíveis serão imunizados. Segundo a Prefeitura, não há risco de faltar o produto, embora a demanda seja alta.

Coronavac era a primeira opção

Usada anteriormente como dose de reforço para o público mais vulnerável, seguindo orientação do governo estadual, a Coronavac foi excluída pelo Ministério da Saúde da lista de opções para essa finalidade. A mudança veio após a divulgação de um estudo com dados sobre a efetividade da fórmula.

A pesquisa preliminar, conduzida por pesquisadores de instituições brasileiras e britânicas, publicada na plataforma medRxiv em 25 de agosto, mostrou uma baixa efetividade da Coronavac entre as pessoas com mais de 90 anos. Nesse público, ela evitou 25% das infecções, 30% das internações, 30% dos casos mais graves e 30% das mortes.

Idosos que residem na capital paulista já começaram a receber a dose de reforço da Pfizer. (Fonte: Shutterstock/Yuganov Konstantin/Reprodução)
Idosos que residem na capital paulista já começaram a receber a dose de reforço da Pfizer. (Fonte: Shutterstock/Yuganov Konstantin/Reprodução)

O resultado é um pouco melhor na faixa etária dos 80 aos 89 anos, subindo para 55% na prevenção das infecções e 65% nas demais situações. Porém, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, resolveu optar por outros imunizantes na dose de reforço, especialmente o da Pfizer.

Mais grupos atendidos

A intercambialidade também será adotada em relação às pessoas que estão com a segunda dose da AstraZeneca em atraso. Elas receberão o imunizante da Pfizer até que a entrega do laboratório britânico seja normalizada.

Os adolescentes de 12 a 17 anos que ainda não receberam nenhuma dose também serão imunizados com a Pfizer, assim como os grupos tratados com ela na primeira aplicação de vacina.

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Prefeitura de São Paulo, Estadão, medRxiv.

Este conteúdo foi útil para você?

100660cookie-checkPrefeitura de SP usará só vacina da Pfizer como dose de reforço