Sarampo: como se prevenir antes de viajar

22 de outubro de 2019 3 mins. de leitura
Doença infecciosa grave, o sarampo pode ser transmitido em lugares fechados, e a vacina é a única forma de prevenção

O que é o sarampo?

O sarampo é uma doença causada por um vírus e pode ser fatal. A sua transmissão ocorre quando uma pessoa é exposta a tosse, fala, espirro ou respiração de alguém infectado.

Os sintomas são febre, tosse, irritação nos olhos, coriza, mal-estar intenso e manchas vermelhas por todo o corpo, que aparecem entre 3 dias a 5 dias após o início dos outros sinais.

Por que se prevenir contra o sarampo antes de viajar?

Como a transmissão do sarampo acontece pelo contato com pessoas infectadas, o risco ao viajar é ainda maior, pois ambientes fechados, como ônibus, aviões, metrôs ou navios, facilitam a contaminação. Além disso, há a possibilidade de alguém estar hospedando o vírus e não saber, transmitindo-o durante a viagem.

Outro agravante que facilitam o contágio do sarampo em viagens é o fato de que alguns países, como o Brasil, perderam o certificado de eliminação da doença, entre eles Reino Unido, Grécia, República Tcheca e Albânia.

Segundo dados do Ministério da Saúde, no primeiro semestre deste ano, 78% dos casos de sarampo na Europa aconteceram no Cazaquistão, na Geórgia, na Rússia ou na Ucrânia. Portanto, certifique-se de que está imune à doença e de que não hospeda o vírus antes de embarcar para esses locais.

Como se prevenir antes de viajar

Para ter certeza de que não há risco de contrair a doença, é necessário se certificar de que todas as doses da vacina tríplice viral estão em dia. Essa imunização protege tanto contra o sarampo quanto contra a rubéola e a caxumba.

Então, antes de fazer uma viagem nacional ou internacional, o indivíduo deve verificar se tomou a vacina conforme o Calendário Nacional de Vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS). Para receber as doses, basta ir a uma unidade pública de saúde.

O que fazer em caso de contaminação

Enquanto estiver viajando, a pessoa deve ficar atenta a qualquer sintoma. Caso identifique algum deles, é importante procurar imediatamente uma unidade de saúde e informar por quais locais já passou.

Assim, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) podem iniciar um bloqueio vacinal, em uma ação que busca e contata todos os passageiros que estiveram no mesmo transporte.

Fonte: Ministério da Saúde.

Gostou? Compartilhe!