Variante Delta: qual a eficácia das vacinas atuais? - Summit Saúde

Variante Delta: qual a eficácia das vacinas atuais?

23 de setembro de 2021 4 mins. de leitura

Estudos apontam que os imunizantes têm menor eficácia diante da nova cepa, mas ainda são a melhor resposta diante da covid-19

Publicidade

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

A variante Delta tem chamado a atenção de todo o mundo em razão da sua transmissibilidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Imperial College London (ICL), ela se espalha com o dobro de facilidade em relação ao primeiro coronavírus detectado, ainda em 2019, na China.

No Brasil, a notícia é recebida com preocupação. O País não finalizou a campanha de vacinação contra a covid-19 (apenas 29% da população recebeu duas doses) e há locais em que isso mal começou. Em Roraima, por exemplo, menos de 15% dos habitantes do estado estão completamente imunizados.

Além disso, a variante Delta faz surgir outras dúvidas: as vacinas são eficazes? O que fazer diante dos limites que apresentam? Saiba mais sobre o assunto e entenda por que as vacinas ainda são a melhor aposta contra a pandemia.

Eficácia de cada vacina contra a variante Delta

Os estudos da OMS e do ICL ainda são preliminares, portanto não foram revisados por pares e aplicados em grupos pouco heterogêneos, o que dificulta a generalização das conclusões. Mas, ao que tudo indica, a variante Delta é mais resistente às vacinas.

A pesquisa analisou os imunizantes da AstraZeneca, Pfizer e Moderna diante das mutações Alfa e Delta, as duas cepas mais comuns nos Estados Unidos e no Reino Unido. Para isso, foram testadas 750 mil pessoas, sendo que o resultado apontou que a variante Delta, além de mais transmissível, é mais eficiente em driblar a imunização.

A vacina Moderna teve os melhores resultados. No entanto, isso pode ocorrer em razão de ela ter predominantemente uma faixa etária mais jovem no recorte do estudo. Por isso, ainda é necessário testá-la com um grupo distribuído de maneira mais uniforme do ponto de vista etário.

A pesquisa apontou também que a Pfizer teve bons resultados a curto prazo, superiores à AstraZeneca. Mas que, com o passar do tempo, a curva se inverteu. No decorrer dos meses, foram os vacinados com a AstraZeneca que apresentaram a resposta mais eficaz diante da covid-19.

Uma pesquisa com o mesmo status que a anterior revelou que os dados preliminares permitem crer que a Coronavac ofereça uma boa resposta contra a variante Delta. Esse imunizante, que usa vírus inativado, seria capaz de proteger os vacinados em 77% dos casos (número próximo às demais cepas).

Por que os cuidados sanitários seguem importantes?

Uso de máscara e outros cuidados sanitários seguem fundamentais. (Fonte: Jair Ferreira Belefface/Shutterstock/Reprodução)
Uso de máscara e outros cuidados sanitários seguem fundamentais. (Fonte: Jair Ferreira Belefface/Shutterstock/Reprodução)

Outro ponto interessante observado pelos cientistas da OMS e do ICL é que as pessoas imunizadas com duas doses, com qualquer uma das vacinas, carregava a mesma carga viral do que não imunizados, no caso de infecção. 

Como consequência, os pesquisadores apontam que isso dificulta a criação de uma imunidade de rebanho, ou seja, a obtenção de imunização coletiva que permita dispensar os demais cuidados sanitários, como ventilação, distanciamento e uso de máscara e álcool em gel.

Por que a terceira dose tem sido cogitada?

São Paulo e Rio de Janeiro são exemplos de estados que aplicarão a terceira dose ainda em setembro, iniciando por idosos. (Fonte: Nelson Antoine/Shutterstock/Reprodução)
São Paulo e Rio de Janeiro são exemplos de estados que aplicarão a terceira dose ainda em setembro, iniciando por idosos. (Fonte: Nelson Antoine/Shutterstock/Reprodução)

A conclusão dos pesquisadores é que, mesmo que as vacinas tenham um efeito menor diante da variante Delta, a imunização permanece sendo fundamental. Cogita-se inclusive a aplicação de uma terceira dose, para maximizar a proteção.

Os Estados Unidos planejam vacinar sua população com a terceira dose, com início previsto ainda para o mês de setembro. A medida foi criticada, já que alguns países ainda estão muito atrasados na vacinação, o que daria brecha para o desenvolvimento de novas cepas mais agressivas, principalmente em indivíduos que não tiveram tempo de ser imunizados.

No Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo já anunciaram o início da aplicação da terceira dose. Mas, tal como em relação ao panorama global, a desigualdade no acesso aos imunizantes prejudica o enfrentamento ao vírus.  

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Poder 360, Forbes, Estadão Saúde.

101890cookie-checkVariante Delta: qual a eficácia das vacinas atuais?

Webstories