Causada pelo excesso de exposição ao sol e calor intensos, a insolação pode gerar problemas graves

O verão é repleto de visitas a praias, rios e parques, porém é preciso estar atento, pois nessa época os casos de insolação costumam se tornar mais frequentes. Condição causada pelo excesso de exposição ao sol e ao calor intensos, a insolação acontece quando a temperatura corporal ultrapassa 40°C rapidamente e o mecanismo de transpiração do corpo se torna deficiente e tem dificuldade de se resfriar.

Com o aumento repentino da temperatura, há perda significativa de água, sais minerais e nutrientes fundamentais para o equilíbrio do organismo humano. Apesar de estar mais frequentemente associada ao clima quente e seco, a insolação pode ocorrer em ambientes úmidos.

E, embora na maioria dos casos os sintomas sejam leves e facilmente tratados, existem exceções mais graves, que podem ocasionar complicações sérias, como danos no cérebro, no coração, nos rins e nos músculos, levar ao coma e até mesmo à morte.

Entre as situações que provocam a insolação estão exposição prolongada ao sol e ao calor, ausência de proteção solar, prática de atividades que causam cansaço físico extremo em altas temperaturas, uso excessivo de roupas no calor e falta de hidratação por tempo prolongado.

(Fonte: Pixabay)

Sinais de alerta

Os sintomas da insolação aparecem aos poucos, por isso a orientação é sempre procurar o médico assim que eles começarem a surgir. Os primeiros sinais são dor de cabeça, tontura, pele quente e seca, náusea, temperatura corporal elevada, pulso acelerado, distúrbios visuais e confusão.

De acordo com informações do Ministério da Saúde, em casos de exposição ao sol por tempo prolongado, o nível de insolação pode provocar sintomas ainda mais graves, como aumento da temperatura corporal, desmaio, convulsão e fraqueza muscular.

Crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas precisam ter cuidados especiais com a insolação. Além disso, é necessário estar sempre atento à falta de hidratação no dia a dia e à ingestão de álcool e cafeína em excesso. Pacientes que fazem uso de medicamentos para hipertensão, diuréticos, antidepressivos ou antipsicóticos precisam redobrar os cuidados.

Tratamento e prevenção

Ao detectar a insolação, é fundamental que os primeiros socorros sejam rápidos, para evitar complicações. Como o objetivo inicial é baixar a temperatura corporal, é essencial que a pessoa seja movida para um local fresco e ventilado, mantendo-se em repouso e com a cabeça elevada.

Além de ingerir água fria ou gelada, é aconselhável que o corpo seja delicadamente borrifado com água, para que a temperatura possa baixar gradativamente. Depois, o paciente pode tomar um banho frio ou utilizar compressas geladas.

(Fonte: Pixabay)

Após os primeiros socorros, o médico precisa ser acionado para evitar complicações e diagnosticar a insolação e o nível ao qual chegou. Para isso, exames podem ser solicitados para checar se há comprometimento de algum órgão. O tratamento é direcionado para reduzir a temperatura corporal e hidratar o organismo. Em alguns casos, a hidratação venosa pode ser necessária.

Prevenir a insolação não é difícil. A adoção de medidas de autocuidado, como evitar a exposição ao sol entre as 10h e 16h, utilizar roupas leves, passar protetor solar, ingerir água frequentemente e consumir frutas e verduras auxilia na prevenção.

Curtiu o assunto? Saiba mais sobre inovação e diferentes tecnologias aplicadas à medicina; clique aqui.

Fontes: Ministério da Saúde, Blog da Saúde Ministério da Saúde.