Qual a diferença entre Farmácia e farmacologia?

10 de fevereiro de 2021 4 mins. de leitura
Enquanto o farmacêutico trabalha em diversos campos, a farmacologia convida à atividade de pesquisa

Quem cursa a graduação em Farmácia entra na área da saúde em um dos campos mais plurais do ramo. Afinal, a ciência tem se desenvolvido muito e as alternativas químicas entraram na vida contemporânea de forma definitiva.

Por isso, o farmacêutico tem uma realidade profissional que não se resume a orientações e cuidados sobre medicamentos, seja no balcão de uma farmácia, seja em um serviço de saúde. Um exemplo é a indústria de cosméticos: essa é uma das principais áreas que demandam o profissional atualmente e também uma das que melhor remuneram.

Agora, se o interesse está em criar alternativas medicamentosas por meio da pesquisa, é hora de entrar de cabeça na subárea da farmacologia. Conheça mais sobre esse campo e entenda a diferença entre ambos.

Conheça a diferença entre Farmácia e farmacologia

A farmacologia é uma subárea da Farmácia que pesquisa a atuação dos medicamentos no organismo e desenvolve novos químicos. (Fonte: Shutterstock)
A farmacologia é uma subárea da Farmácia que pesquisa a atuação dos medicamentos no organismo e desenvolve novos químicos. (Fonte: Shutterstock)

Muito antes da criação do SUS, que permitiu a universalização do acesso à saúde de forma territorializada, frequentemente eram as farmácias, presentes nas menores cidades, as responsáveis pelo cuidado e pela atenção em saúde. 

Por isso, a profissão do farmacêutico é tão antiga quanto importante, além de reconhecida pela população. Ainda hoje, o balcão da farmácia funciona como um lugar de educação em saúde fundamental, sem o qual os casos de automedicação seriam ainda maiores, por exemplo.

O que muitas vezes não se sabe são os caminhos necessários para que um remédio esteja na prateleira, disponível para o público. Há uma série de etapas de pesquisa e testes até o resultado final, e é aí que entra a farmacologia, que estuda e desenvolve medicamentos: como são compostos, como atuam no corpo humano (farmacodinâmica), como são metabolizados (farmacocinética) e como interagem com outros fármacos.

Portanto, se o campo da Farmácia é uma grande área cheia de horizontes, para trabalhar com farmacologia é necessário se aprimorar.

Uma opção é fazer uma especialização, para conhecer mais do assunto, outra é continuar os estudos na pós-graduação stricto sensu: existem cursos de mestrado e doutorado em Farmacologia que formam investigadores para a área.

Não é necessário ser farmacêutico para trabalhar com farmacologia

Embora esteja ligada à Farmácia, a farmacologia recebe contribuição de diversos outros campos do conhecimento. (Fonte: Shutterstock)
Embora esteja ligada à Farmácia, a farmacologia recebe contribuição de diversos outros campos do conhecimento. (Fonte: Shutterstock)

A farmacologia tem como objetivo dar subsídios para o trabalho do farmacêutico da ponta — além, é claro, de beneficiar os pacientes, que passam a contar com novos medicamentos. Por isso, considera-se que essa é uma área da Farmácia. 

Mas não é necessário ser formado nessa graduação para ser pesquisador em farmacologia. Ao entrar na área da pesquisa, passa-se a trabalhar em grupos, em uma lógica de cooperação. 

Os farmacêuticos são fundamentais e têm um repertório científico imprescindível para a pesquisa de fármacos (esse é um campo clássico da área). Ao mesmo tempo, biomédicos, biólogos, químicos e médicos veterinários são alguns dos profissionais que podem contribuir para a área por disporem de outros conhecimentos úteis. 

Assim, forma-se uma rede de pesquisa e de cuidado que permite o desenvolvimento científico com o grau de refinamento que há atualmente. Portanto, ao comprar um medicamento prescrito por um médico ou dentista e receber orientações do seu farmacêutico de confiança, saiba que há muito trabalho por trás dos comprimidos e cápsulas. Um muito obrigado aos pesquisadores!

Conheça o maior e mais relevante evento de saúde do Brasil

Fontes: Unopar.

Gostou? Compartilhe!