O maior e mais importante evento de saúde do Brasil.

Conheça o evento
Tecnologia surge como principal aliada do setor de saúde para melhorar atendimento de pacientes e elevar padrão de atendimento das instituições

Ao passo que a sociedade caminha para se adaptar aos novos tempos, os sistemas de saúde global e nacional buscam incansavelmente por soluções que auxiliem em uma melhor estruturação do atendimento dentro das instituições. Na procura pela otimização de suas operações, os sistemas médicos encontraram uma grande aliada: a tecnologia.

Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar.

Os novos modelos de negócio giram em torno de inovações que somem no atendimento empático, especializado e ágil. Estratégias como o uso da telemedicina ou até mesmo o Compliance Médico elucidam os objetivos do setor no sentido de acolher os pacientes e fornecer uma maior gama de opções que fujam da metodologia tradicional encontrada na área.

Dessa forma, o que o sistema de Saúde pode fazer para se manter atualizado e deixar um legado para as próximas gerações de profissionais que vão iniciar no mercado de trabalho? Entenda.

Telemedicina: a importância das operações digitais

No Brasil, cerca de 72% dos médicos especializados residem nas regiões Sul ou Sudeste. (Fonte: Shutterstock)

Como abordar a medicina moderna sem citar o fundamental papel exercido pela internet no século 21? Esses dois conceitos, trabalhados em harmonia, ditam os novos comportamentos no atendimento médico e abrem espaço para uma série de melhorias dentro da era digital.

O conceito de telemedicina não funciona como uma substituição do atendimento presencial, mas uma ferramenta de suporte a distância e aos sistemas de triagem. No material fornecido pelo IBGE em 2018, cerca de 64,7% dos brasileiros estão conectados ao mundo digital — o que indica uma brecha para a democratização de informações digitais na web.

Quais são as vantagens da teleassistência?

A telemedicina é uma atividade regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) desde 2002. Para se ter uma ideia de sua importância, aproximadamente 22% da população mundial já fazia o uso de sistemas de saúde digital em 2016, de acordo com uma pesquisa feita pela RockHealth Report.

Ao fornecer sistemas de atendimento online, as instituições de saúde conseguem aumentar o escoamento de pacientes nos ambientes físicos e fornecer ferramentas de disponibilização de laudos digitais, que funcionam através de softwares especialmente desenvolvidos para trabalhar na área.

Além disso, a teleassistência também concede uma função especialmente importante em um país com grande espaço territorial, como é o caso do Brasil: o encurtamento de distâncias.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 72% dos médicos especializados concentram-se nas regiões Sul e Sudeste. Então, ao democratizar o acesso ao conhecimento desses profissionais, a telemedicina impede que pacientes tenham de percorrer centenas de quilômetros para receber um atendimento que, por vezes, não entra na categoria emergencial.

O que é Compliance Médico e como isso garante a otimização da saúde?

Diretrizes criadas pelo Compliance Médico podem reduzir perda financeira causada por fraudes dentro de instituições. (Fonte: Shutterstock)

A palavra compliance tem origem no idioma inglês e é vastamente utilizada no âmbito jurídico — o que não impede sua importância no setor médico atual. O termo representa um conjunto de diretrizes legais e regulamentares apontadas para impedir o desvio de conduta de profissionais e das instituições.

Portanto, a utilização do Compliance Médico nada mais é do que uma estratégia moderna para detectar os culpados por erros severos e garantir o melhor atendimento possível ao paciente.

Ao adotar a metodologia do compliance, uma instituição de saúde fornece os meios para que diminuam os problemas financeiros causados por processos jurídicos e assegura um atendimento fundamentado na civilidade, empatia, responsabilidade e ética.

Diminuição no número de fraudes na saúde

Aproximadamente R$ 28 bilhões gastos nas operações médico-hospitalares foram derivadas de ações fraudulentas e ilegais, segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). E como o Compliance Médico trabalha para reduzir esses casos?

O sistema trabalha com uma grande base de dados em monitoramento, fornecendo os recursos necessários para identificar quaisquer ações que fujam do âmbito legal no sistema de saúde. Ao identificar culpados, o Compliance Médico pode trabalhar na recuperação do montante financeiro — que já chegou a representar 19,1% dos gastos em saúde — desperdiçado com condutas inadequadas.

O futuro da Medicina

De maneira geral, os novos passos adotados pela comunidade médica apontam para a importância da gestão responsável para os próximos anos. A automatização de processos, a democratização de informações e as diversas ferramentas de otimização de operações que surgem no mercado devem funcionar junto de protocolos e administrações sérias.

Assim, a medicina caminha para o aprimoramento do atendimento eficiente, que não é apenas benéfico para os pacientes, mas que também pode gerar grandes impactos financeiros dentro das instituições clínico-hospitalares.

Interessou-se pelo assunto? Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: IESS, LEC, Brasil Telemedicina e Ministério da Saúde.