Novo estudo britânico propõe a inclusão de informações sobre o tempo e os exercícios necessários para queimar calorias

Segundo dados da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) em conjunto com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que a obesidade seja um dos maiores problemas de saúde do mundo. A previsão é que cerca de 75 milhões de crianças sejam atingidas por esse problema até 2025.

De olho nessa problemática, estudiosos britânicos das universidades de Loughborough, East Anglia e Birmingham divulgaram recentemente um estudo no periódico Journal of Epidemiology & Community Health propondo um novo modelo de inserção de informações nutricionais nos rótulos de alimentos ultraprocessados e com alto teor calórico.

(Fonte: Pixabay)

O formato, nomeado Physical Activity Calorie Equivalent (Pace — Equivalente de Calorias em Atividade Física, em tradução livre), tem como principal objetivo indicar o tempo e os exercícios necessários para realizar a queima calórica de cada alimento, o que seria capaz de estimular o consumo de opções mais saudáveis. Segundo o projeto, as novas informações nos rótulos deverão indicar dados efetivos para estimular essa mudança comportamental.

Resultados positivos

Até o momento, foram apresentados 15 relatórios que apresentaram dados satisfatórios. Os estudos estão relacionados à oferta de produtos com rotulagem Pace e informações convencionais.

De acordo com o Journal of Epidemiology & Community Health, foi aplicado o seguinte método: "A rotulagem de alimentos Pace foi comparada com qualquer outro tipo de rotulagem de alimentos ou sem rotulagem (comparador). Os relatórios foram identificados em pesquisas em bancos de dados eletrônicos, sites e plataformas de mídia social. Metanálise de variância inversa foi usada para resumir as evidências. Diferenças médias ponderadas (ADM) e ICs de 95% foram usados para descrever diferenças entre os grupos usando um modelo de efeitos aleatórios".

Em entrevista concedida à Reuters Health, a professora Amanda Daley, líder do estudo, afirmou que "a rotulagem de alimentos Pace, na qual você mostra quantos minutos de atividade física são necessários para gastar as calorias de um alimento, pode ser uma boa maneira de ajudar o público a tomar decisões mais saudáveis sobre os alimentos e reduzir o consumo total de calorias".

Próximos passos

(Fonte: Pixabay)

A Abeso estima que cerca de 50% da população do Brasil esteja ao menos acima do peso, sendo que 15% das crianças já se encontram nessa faixa. Quando falamos dos adultos, a Região Sul é a mais afetada, com 56% das pessoas com excesso de peso, seguida pela Região Sudeste, com aproximadamente metade da população com o mesmo problema.

Embora as medidas propostas no Reino Unido pelo rótulo Pace não tenham indícios de aplicação por aqui, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já propôs uma série de mudanças para tornar as principais informações nutricionais mais visíveis para o consumidor brasileiro.

A proposta que visa estimular um cuidado mais efetivo no consumo de alimentos propõe a utilização gráfica de uma lupa na parte frontal do rótulo, destacando quantidades excessivas de açúcares, gorduras e sódio, além de outras informações nutricionais relevantes, como "rico em fibras" ou "contém lactose". Ambos os projetos continuam em discussão em seus países, com expectativas promissoras de suporte à redução de obesidade em todo o mundo.

Fontes: BMJ Journals, Abeso.