Conheça o perfil dos 3 ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina de 2019 e o que garantiu a eles esse importante reconhecimento

William Kaelin Jr. (EUA), Gregg L. Semenza (EUA) e Peter J. Ratcliffe (Reino Unido) foram os agraciados com o Prêmio Nobel de Medicina na edição de 2019. O trio fez uma importante descoberta sobre a adaptação das células ao oxigênio disponível no organismo. O anúncio foi feito em 7 de outubro de 2019, em Estocolmo, na Suécia. Os cientistas vão dividir o total de 832.523 euros.

O Prêmio Nobel é concedido anualmente, desde 1901, a quem faz alguma descoberta ou apresenta uma invenção nos campos da fisiologia e medicina, física, química, literatura ou ativismo pela paz. Em 1968, uma nova categoria foi adicionada à premiação: economia. Desde o primeiro ano, o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina é indicado por uma comissão do Instituto Karolinska, uma das maiores faculdades de medicina da Europa, localizada em Solna, próximo a Estocolmo.

(Fonte: Freepik)

Prêmio Nobel de Medicina 2019: a descoberta

Kaelin, Semenza e Ratcliffe descobriram que as células reagem e se adaptam à quantidade de oxigênio no organismo — tanto à maior quanto à menor disponibilidade. Eles traçaram o sistema genético e molecular que responde à presença do oxigênio, o que, na prática, é importante para ampliar o entendimento sobre ações como a reação do organismo a exercícios físicos, a forma como o sistema imune combate infecções, como é o desenvolvimento de um embrião, como ocorre o processo de respiração, entre outras.

Para que se entenda a importância da descoberta para a medicina, ela abre caminho para potencializar as formas de combate a doenças como anemia e câncer. De acordo com os membros do comitê que concede o prêmio, essa é a revelação sobre o funcionamento de um dos processos de adaptação mais essenciais à vida.

Quem são os cientistas que deram essa importante contribuição à medicina?

(Fonte: Twitter/Reprodução)

Cientistas laureados no Prêmio Nobel de Medicina 2019

William Kaelin Jr.

Natural de Nova York, nasceu em 1957. Sua graduação em Medicina se deu na Universidade Duke, na Carolina do Norte (Estados Unidos). Sua residência em medicina interna e oncologia foi realizada no Johns Hopkins Hospital, em Maryland, e no Dana-Farber Cancer Institute, em Massachusetts, onde montou seu laboratório de pesquisa. Além disso, é professor na Harvard Medic School e atua como pesquisador do Howard Hughes Medical Institute.

Suas outras premiações, concedidas por contribuições e descobertas no campo das ciências médicas, são:

  • Prêmio Internacional da Fundação Gairdner;
  • Prêmio Wiley de Ciências Biomédicas;
  • Prêmio Albert Lasker de Pesquisa Médica Básica;
  • Prêmio Massry.

Peter J. Ratcliffe

De Lancashire, no Reino Unido, nasceu em 1954. Sua formação em Medicina aconteceu no Gonville e Caius College, em Cambridge. Sua especialização em Nefrologia foi feita em Oxford, universidade na qual se tornou professor, em 1996, e onde fundou um grupo de pesquisa independente. Atualmente, é diretor do Target Discovery Institute, em Oxford, diretor de pesquisa clínica do Francis Crick Institute, em Londres, e membro do Ludwig Cancer Research.

Assim como Kaelin, coleciona premiações por suas colaborações e descobertas na área médica:

  • Prêmio Internacional da Fundação Gairdner;
  • Prêmio Albert Lasker de Pesquisa Médica Básica;
  • Prêmio Louis-Jeantet de Medicina;
  • Prêmio Massry;
  • Medalha Buchanam.

Gregg L. Semenza

É natural de Nova York, nascido em 1956. Graduado em Biologia pela Universidade de Harvard, em Boston, é PhD e doutor em Medicina pela Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia. Especializou-se em Pediatria na Carolina do Norte, na Duke University. Seu pós-doutorado foi realizado na Johns Hopkins University, em Maryland, onde criou um grupo de pesquisa independente. É diretor do Programa de Pesquisa Vascular do Johns Hopkins Institute de Engenharia Celular, além de professor na mesma universidade.

Assim como seus colegas de pesquisa e de Nobel, suas premiações incluem:

  • Prêmio Internacional da Fundação Gairdner;
  • Prêmio Wiley de Ciências Biomédicas;
  • Prêmio Albert Lasker de Pesquisa Médica Básica;
  • Grand Prix scientifique de la Fondation Lefoulon-Delalande.

Além do Prêmio Nobel de Medicina e de outras várias premiações, os três cientistas têm vários artigos e livros publicados.

Fontes: Forbes, The New York Times.