Muitos pacientes têm recorrido a intervenções religiosas e espirituais em busca do alívio de sintomas ou da cura de doenças

Ao chegar ao consultório médico para relatar algum tipo de sintoma, a maioria dos pacientes não apenas busca um diagnóstico concreto mas também um tratamento. Na falta de uma explicação científica, busca-se na fé, na religião ou em alguma instância espiritual um conceito suprafísico capaz de aliviar a ansiedade e fornecer uma esperança de cura.

Através dos tempos, a medicina e a religião estiveram imbricadas, às vezes com mais intensidade, outras com menos; porém somente na virada do século XX para o XXI a literatura científica começou a apresentar estudos consistentes sobre a importância dos aspectos religiosos e espirituais na saúde física e mental dos pacientes.

Efeitos benéficos da religiosidade e da espiritualidade

Sabe-se que a religiosidade e a espiritualidade podem auxiliar na prevenção de cardiopatias e até mesmo neoplasias. Nos casos em que as enfermidades já se encontram instaladas, há relatos de alívio dos sintomas e aumento da sobrevida. Uma das explicações para o fenômeno é que, ao encontrar um propósito para a vida humana, a religião auxilia os pacientes no enfrentamento das doenças e na aceitação do estado de impermanência.

Dessa forma, a religiosidade e a espiritualidade têm se afirmado na literatura científica como elementos de apoio para indivíduos que vivenciam situações estressantes, o que leva várias lideranças da área de saúde a sugerirem a avaliação da espiritualidade como um item complementar aos cuidados médicos.

(Fonte: Pixabay)

Práticas religiosas no mundo

Estudos efetuados nos Estados Unidos da América mostram um país com elevados índices populacionais de religiosidade e espiritualidade. Já na Europa há certa discrepância, existindo países com elevada prática religiosa (Irlanda, Romênia e Polônia), com práticas religiosas reduzidas (República Checa, Estônia e França) e nações muito religiosas com poucas práticas, como é o caso de Portugal, e até como a Suécia, onde o nível de religiosidade é baixo em relação às práticas.

No Brasil, uma pesquisa conduzida na Universidade Federal de Juiz de Fora por Alexander Moreira-Almeida, Ilana Pinsky, Marcos Zaleski e Ronaldo Laranjeira, publicada na Revista de Psiquiatria Clínica em 2010, revela que 83% da população consideram a religião um aspecto muito importante na própria vida e apenas 5% decidiram não ter qualquer tipo de vínculo religioso.

(Fonte: Pixabay)

Impactos da religiosidade em marcadores clínicos

Enfrentando dilemas éticos e dificuldades metodológicas nos instrumentos de avaliação, pesquisas têm investigado relações de marcadores biológicos (cortisol, sistema nervoso autônomo, imunológico, cardiovascular) com base em aspectos religiosos e espirituais. São vários exemplos que comprovam essa relação:

  • obesidade Estudos apontam o papel da religiosidade na perda e manutenção do peso corporal, contribuindo, principalmente, com mudança de hábitos alimentares, estilo de vida e autopercepção;
  • sistema imunológico — Quando aplicada em hospitais, a religiosidade é capaz, inclusive, de reduzir a interleucina 6 e outros marcadores inflamatórios associados a doenças osteomusculares, cardiovasculares, depressão e estresse.

Embora, em termos metodológicos, a bibliografia que estuda a relação entre religião, espiritualidade e saúde ainda esteja “engatinhando”, pesquisas têm se tornado mais frequentes e abrangentes. E os resultados até o momento indicam um futuro promissor quando se fala na intervenção da fé na qualidade de vida dos pacientes.

Curtiu o assunto? Saiba mais sobre inovação e diferentes tecnologias aplicadas à medicina; clique aqui.

Fontes: Jornal da USP, Divisão de Pesquisa do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, Purdue University,  Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Departamento de Psiquiatria — Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).