Atenção primária à saúde: o papel dos cuidados paliativos

16 de abril de 2021 3 mins. de leitura
Cuidados são uma importante forma de garantir suporte ao paciente e às famílias, prezando o bem-estar

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Considerando os inúmeros avanços da medicina e o envelhecimento da população, cada vez mais são necessárias medidas para garantir a qualidade de vida. Embora ainda haja muito estigma com relação ao assunto, cuidados paliativos são grandes aliados nesse cenário, por isso faz-se necessário esclarecer e sensibilizar até mesmo equipes médicas quanto à importância desse atendimento.

Em tempos de pandemia, por exemplo, em que muitas pessoas (especialmente idosos) têm perdido a vida, garantir um final digno é justo com pacientes e seus familiares.

Os cuidados paliativos precisam de mais estima por parte das equipes médicas e, principalmente, da população (Fonte: Matthias Zomer, Pexels).
Cuidados paliativos precisam de mais estima por parte de equipes médicas e, principalmente, da população. (Fonte: Pexels)

Qual é a importância dos cuidados paliativos?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cuidados paliativos têm o objetivo de prevenir e amenizar “o sofrimento através de uma identificação precoce, correta avaliação e tratamento da dor e outros problemas de ordem física, psicossocial e espiritual”, então o incentivo é que esse cuidado seja feito em todos os níveis de atenção, especialmente na atenção primária à saúde (APS).

Os cuidados com os pacientes paliativos são importantes para eles e suas famílias (Fonte: RODNAE, Pexels).
Atendimento garante bem-estar tanto aos pacientes paliativos quanto às famílias. (Fonte: Pexels)

Os cuidados paliativos podem propiciar uma integração dos aspectos psicológico e social do paciente com seu estado clínico. Além disso, possibilitam suporte às famílias, ajudando-as a lidar com a doença de seu ente querido, inclusive com acompanhamento e suporte ao luto. Para o paciente, a importância do atendimento está relacionada com a possibilidade de manter uma boa vida, sem apressar ou adiar a morte.

Os cuidados paliativos e a APS

A APS corresponde ao nível inicial de atenção em saúde e abrange um conjunto de ações que visam à promoção e à proteção da saúde, bem como à “prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde”.

Quando o processo é efetivamente aplicado, o resultado é uma ampliação do acesso aos cuidados paliativos por toda a população. E a integração desse atendimento na APS incentiva a busca por tais cuidados tanto por parte da população quanto da equipe médica.

Expectativa de vida de um paciente paliativo

É importante deixar claro que os cuidados paliativos não objetivam aumentar o tempo de vida do paciente, e sim respeitar seu processo de fim de ciclo, considerando que tratamentos e outros procedimentos já não são eficazes. Sendo assim, a expectativa de sobrevivência de um paciente paliativo é muito relativa: alguns resistem por apenas alguns dias e outros vivem vários anos.

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fontes: Ministério da Saúde, Revista Bioética.

Este conteúdo foi útil para você?

90000cookie-checkAtenção primária à saúde: o papel dos cuidados paliativos