Como a qualidade do sono pode afetar a saúde?

12 de março de 2020 3 mins. de leitura
Estudo da Universidade de Manchester afirma que a qualidade do sono é responsável pela reposição da matriz extracelular

Uma equipe de biólogos da Universidade de Manchester divulgou um estudo na revista Nature Cell Biology explicando benefícios até então desconhecidos sobre a qualidade do sono. Segundo os especialistas responsáveis pela pesquisa, além de revigorar as forças para o dia seguinte e manter as funções cognitivas de forma adequada, dormir pode ajudar na reposição do corpo pela matriz extracelular.

Um dos cientistas envolvidos, o biólogo Karl Kadler, afirmou em um comunicado oficial da universidade que, embora o nosso relógio biológico funcione em um ritmo cada vez mais lento ao envelhecermos, a matriz extracelular que fornece estrutura bioquímica para suportar células e tecidos conjuntivos pode ser diretamente afetada — e beneficiada — pela qualidade do sono.

(Fonte: Pixabay)

Segundo o estudo, toda a estrutura bioquímica do corpo é composta, em sua maioria, por colágeno. Durante a recente pesquisa, novas substâncias semelhantes, chamadas de “fibrilas”, foram descobertas. As fibrilas finas são as mais ativas em todo o processo do cotidiano, sendo capazes de se restabelecerem nos períodos de descanso, por isso a importância do sono é ainda maior, já que é capaz de ajudar na reconstrução de tecidos conjuntivos, ossos, pele, tendões e cartilagem.

(Fonte: Pixabay)

Kadler acredita que as fibrilas mais grossas tenham a sua estrutura totalmente formada ao atingimos cerca de 17 anos de idade e permanecem pelo resto da vida sem grandes alterações. Já as mais finas — principal objeto do estudo — sofrem com o constante processo de rompimento e regeneração, acompanhando atividades cotidianas e frequentes como feridas e ruptura de tecidos.

Regeneração celular

A pesquisa contou com a observação das estruturas de colágeno através de uma espectrometria de massa e das fibrilas com uma microscopia eletrônica volumétrica de última geração. Kadler ressaltou que, nos resultados, as estruturas mais finas, “facilmente” repostas, aceleram o processo durante os períodos de sono.

Segundo o especialista, o colágeno é um dos grandes responsáveis por isso, como integrante abundante do nosso sistema corporal. O biólogo reforça, ainda, que a substância ajuda a manter a elasticidade, a integridade e a força dos tecidos do corpo.

Respeitando o sono

Um estudo anterior, divulgado pela Universidade da Pensilvânia e pelo Instituto de Pesquisa do Exército Walter Reed, alertou também para a necessidade e a eficiência da manutenção das famosas oito horas de sono por noite. Segundo o estudo, o relógio biológico precisa desse tempo para repor as energias e garantir o correto funcionamento cognitivo para o dia seguinte.

Embora possa não ser comum manter um sono regular, principalmente com a rotina intensa das grandes cidades, os especialistas responsáveis pela pesquisa alertam que o sono acumulado pode prejudicar a saúde. Matthew Walker, diretor do Laboratório de Sono da Universidade da Califórnia, reforçou que as atividades comuns ou complexas do dia a dia poderiam, até mesmo, ser realizadas em menos tempo e com mais eficiência se o tempo necessário de sono fosse respeitado.

Fontes: Science Daily, Manchester.

Gostou? Compartilhe!