Inflamações enfraquecem o corpo contra células cancerígenas - Summit Saúde

Inflamações enfraquecem o corpo contra células cancerígenas

16 de março de 2023 3 mins. de leitura

Pesquisadores desenvolveram sistema de pontuação para avaliar danos causados por altos níveis inflamatórios

Publicidade

Segundo um estudo da NYU Grossman School of Medicine, inflamações severas podem enfraquecer as defesas do corpo contra células cancerígenas. O trabalho analisou células sanguíneas de pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA), um tipo de câncer no sangue.

O experimento mostrou como níveis crescentes de inflamação, marcados por uma reação agressiva das células do sistema imune na medula óssea, alteraram a composição de linfócitos B e T necessários para combater a doença, como fariam com uma bactéria ou um vírus invasor.

Como foi feito o estudo

Foram coletadas amostras de medula óssea de 20 adultos e de 22 crianças para realizar a pesquisa. A partir disso, os cientistas da Universidade de Nova York criaram uma pontuação para o nível de inflamação de cada paciente, chamado iScores.

Essa escala está diretamente atrelada à taxa de sobrevivência de pacientes com LMA. Aqueles que receberam a menor pontuação foram, na maioria das vezes, os que obtiveram maior tempo de sobrevida. Pacientes com pontuações altas morreram em média quatro anos antes do que os que tinham níveis maiores de inflamação.

“Nosso sistema de pontuação fornece uma ferramenta fácil para médicos e pacientes medirem o risco de inflamação ligada à leucemia e ajustarem os planos de tratamento para gerenciar esse risco”, disse Audrey Lasry, uma das autoras do estudo.

Pesquisadores criaram um sistema de pontuação para monitorar níveis de inflamação no corpo
Pesquisadores criaram sistema de pontuação para monitorar níveis de inflamação no corpo. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Os riscos de altos níveis de inflamação

O estudo também relacionou outros fatores a pacientes com altas pontuações no iScores. Pelo menos 12 mutações e erros genéticos foram associados aos altos níveis inflamatórios ou a casos graves da doença. Também foram encontrados níveis atípicos de linfócitos B disfuncionais na medula óssea de pacientes com maiores pontuações, tanto em crianças quanto em adultos.

“Esses resultados sugerem que o monitoramento da inflamação em pacientes com LMA e possivelmente a redução dos níveis de inflamação com terapia medicamentosa devem ser considerados parte do tratamento da doença”, afirmou Iannis Aifantis, investigador sênior do trabalho.

O que é LMA

A leucemia mieloide aguda (LMA) é um tipo de câncer nos glóbulos brancos, que são as principais células de defesa do sistema imunológico. Na doença, o número dessas células aumenta consideravelmente, mas grande parte delas não é capaz de funcionar adequadamente, deixando a pessoa exposta a infecções.

A LMA começa na medula óssea, onde os glóbulos brancos são fabricados. Algumas células jovens, conhecidas como células-tronco mieloides, que deveriam se tornar glóbulos brancos, acabam virando células cancerosas. A condição recebe o nome de aguda porque é uma doença de disseminação muito rápida.

Produção de células de defesa do corpo é feita na medula óssea
Células de defesa do corpo são produzidas na medula óssea. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Existem outros tipos de leucemia, mas a LMA é a mais comum em adultos. O tratamento se dá com quimioterapia, e cerca de 20% a 40% dos casos conseguem evitar o óbito.

Fonte: Science Daily, Manual MSD

161730cookie-checkInflamações enfraquecem o corpo contra células cancerígenas

Webstories