Quando é necessário fazer cirurgia de próstata? Entenda condição que afeta o rei Charles III - Summit Saúde

Quando é necessário fazer cirurgia de próstata? Entenda condição que afeta o rei Charles III

26 de fevereiro de 2024 7 mins. de leitura

Monarca foi hospitalizado nesta sexta-feira, 26, para ser submetido ao procedimento; indicação é mais comum para hiperplasia benigna da próstata, caracterizada pelo aumento do órgão Por Renata Okumura Nesta sexta-feira, 26, o rei Charles III do Reino Unido foi internado na The London Clinic, no centro de Londres, para ser submetido a uma cirurgia na […]

Publicidade

Monarca foi hospitalizado nesta sexta-feira, 26, para ser submetido ao procedimento; indicação é mais comum para hiperplasia benigna da próstata, caracterizada pelo aumento do órgão

Por Renata Okumura

Nesta sexta-feira, 26, o rei Charles III do Reino Unido foi internado na The London Clinic, no centro de Londres, para ser submetido a uma cirurgia na próstata, segundo informou o Palácio de Buckingham em comunicado. Aos 75 anos, o monarca passará por um “procedimento corretivo” para uma próstata aumentada.

A chamada hiperplasia benigna da próstata é caracterizada por um aumento da glândula prostática, que pode fazer com que o homem sinta dificuldade para urinar, além de apresentar outros sintomas. Cada caso é analisado individualmente.

Inicialmente, é importante fazer a distinção entre o câncer de próstata e o crescimento benigno da próstata, que é o caso do monarca britânico. A depender do diagnóstico, a cirurgia é necessária.

Foto: Getty Images

Quando é necessário fazer a cirurgia de próstata?

Embora a cirurgia de próstata seja recomendada para casos de câncer, como explicaremos abaixo, é muito mais comum a indicação de um procedimento cirúrgico para tratar a hiperplasia benigna da próstata.

“Com o tempo, todo homem vai ter a hiperplasia benigna da próstata. É um fenômeno que acompanha o envelhecimento. Ela começa a partir dos 40 anos, mas os sintomas são mais comuns mesmo a partir dos 50. É muito difícil ter sintomas antes dessa idade”, explica Cristiano Gomes, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Urologia de SP. “Com 50 anos, cerca de 20% da população terá sintomas associados ao crescimento benigno da próstata. Aos 80, esse número salta para 80%”, completa o médico.

Mas, mesmo em caso de sintomas, nem todos os homens precisam tratar o crescimento benigno da próstata. A necessidade de tratamento ocorre em duas situações:

– Quando os sintomas incomodam muito o paciente;

– Independentemente de ter ou não os sintomas, o crescimento benigno da próstata está comprometendo a função da bexiga e causando repercussões negativas no órgão.

Gomes conta que a maior parte dos homens que trata a próstata não tem nenhuma complicação na bexiga ou repercussão mais séria. Em geral, a decisão tem a ver com os impactos da condição na qualidade de vida. Ou seja, a pessoa acorda muitas vezes à noite para fazer xixi; tem muita vontade de urinar, mas não chega a tempo ao banheiro; demora para urinar; percebe que o jato de urina está fraco e tem a sensação de que a bexiga não esvazia completamente.

Cabe destacar que uma parte dos casos é resolvida com remédios. Quando os medicamentos não ajudam, aí a cirurgia é considerada.

Entre os sintomas do aumento da próstata estão:

– Maior frequência de idas noturnas ao banheiro;

– Dificuldade de urinar;

– Necessidade de ir muitas vezes ao banheiro;

– Não chegar a tempo ao banheiro;

– Jato de urina fraco;

– Sensação de que a bexiga não esvazia completamente.

Embora a cirurgia muitas vezes seja uma opção para lidar com esses incômodos, ela se torna realmente necessária quando a hiperplasia gera complicações. Por exemplo: a dificuldade de esvaziar a bexiga pode levar a uma retenção do líquido no órgão. “E a urina parada causa infecções urinárias”, conta Gomes. O paciente também pode apresentar formação de pedras na bexiga e até perda de função renal, já que os rins começam a ter dificuldade de mandar a urina para a bexiga uma vez que ela está muito cheia.

Segundo o especialista, em alguns casos o indivíduo até pode ir ao pronto-socorro devido à parada total da micção. “Aí, é necessário passar uma sonda na bexiga”, conta. Mas ele frisa que a maioria dos pacientes não chega a esse nível de complicações. Em grande parte das vezes, o médico atua para tratar sintomas como dificuldade de urinar ou vontade frequente de ir ao banheiro.

Como é feito o diagnóstico?

A partir do histórico clínico, o médico entenderá se os sintomas relacionados ao ato de urinar têm sido progressivos e quais são eles. Pelos exames físicos, é possível observar se o paciente tem uma bexiga muito distendida, assim como verificar o tamanho da próstata e suas características.

“A confirmação da suspeita é feita, geralmente, por meio de exame de urina para confirmar ou afastar infecções urinárias, e a realização de um ultrassom vai permitir avaliar o tamanho da próstata, o resíduo, se o paciente está urinando bem, se tem dilatação nos rins ou se tem sinais de que a bexiga está sofrendo pelo fato de a pessoa fazer muita força para urinar”, descreve Gomes.

Também pode ser solicitado um exame de sangue para avaliar se o PSA está aumentado e se não há suspeita de câncer. O PSA é considerado um antígeno próstático e, dependendo da quantidade encontrada no órgão, é possível suspeitar da presença de um tumor.

Como é feita a cirurgia?

Tirando aquelas situações em que a hiperplasia gerou complicações mais sérias, o momento da cirurgia é uma decisão compartilhada entre o médico e o paciente quando não há resposta aos tratamentos conservadores realizados anteriormente.

Há inúmeras técnicas cirúrgicas. Todas elas têm por objetivo abrir a uretra e, assim, desobstruir a passagem da urina. “A cirurgia é o que mais alivia essa obstrução. A maioria delas é por via endoscópica, sem nenhum corte no paciente. Uma câmera entra pelo pênis, pela uretra, vai até a próstata, que está junto com a bexiga, e ali, por meio da vaporização da próstata, ressecção do tecido ou ablação [usando fonte térmica para promover necrose da próstata], é possível promover a abertura da uretra, oferecendo melhora clínica ao paciente”, acrescenta o especialista.

Segundo Gomes, quando a próstata é muito volumosa, há opções de cirugias robóticas e laparoscópicas. “Nesses casos, os tratamentos pela uretra passam a ter limitação. Então, a cirurgia por via abdominal, geralmente por via robóticas ou laparoscópicas, tem um espaço bastante importante”. Essa é uma situação observada em 20% dos pacientes.

Existem também as cirurgias minimamente invasivas. “Elas foram criadas para oferecer um pós-operatório mais rápido e minimizar uma complicação comum a partir das cirurgias de próstata, que é a perda da ejaculação”, diz o médico.

Ainda segundo ele, a maioria dos homens que faz as cirurgias citadas anteriormente vai perder a ejaculação. Embora isso não signifique ter disfunção erétil ou perda de capacidade de ter orgasmo, a ejaculação tem importância significativa para muitos homens.

Por isso, é importante que o paciente discuta com seu médico qual é o tratamento mais adequado especificamente para o seu caso.

Cirurgia no caso de câncer de próstata

No caso de câncer de próstata, que, na maioria das vezes, é diagnosticado em um contexto de prevenção, fala-se do tratamento do câncer localizado.

“Quando alguém é diagnosticado com câncer de próstata ou qualquer outro tipo de câncer, a primeira coisa a ser feita é avaliar se a doença está restrita ao órgão ou se já deu sinais de que saiu dali. Isso tem relevância, pois o tratamento varia completamente”, aponta Gomes.

“No caso do câncer de próstata, a cirurgia está indicada quando é uma doença localizada nesse órgão e tiver características de agressividade”, explica. Há casos de câncer de próstata localizados no órgão que somente são acompanhados pela equipe médica. “Uma série de características vai determinar se a doença tem baixo potencial de agressividade e progressão”, acrescenta o médico.

188640cookie-checkQuando é necessário fazer cirurgia de próstata? Entenda condição que afeta o rei Charles III

Webstories