Tempo seco: 8 formas de reduzir os efeitos da baixa umidade

6 de novembro de 2021 5 mins. de leitura
Entenda quais riscos a baixa umidade do ar pode causar à saúde e veja formas de se cuidar durante os períodos de tempo seco

O tempo seco pode prejudicar a saúde e o bem-estar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que o índice adequado de umidade do ar varia entre 50% e 80%, sendo que uma umidade abaixo de 30% pode aumentar os potenciais riscos à saúde dos seres humanos, gerando incômodos e desencadeando doenças. Para além desse fato, o tempo seco também agrava a poluição, pois dificulta a dispersão dos poluentes do ar.

Essa condição climática é mais comum durante o inverno, época em que as chuvas costumam ser menos frequentes. Já no verão, as pancadas aparecem mais vezes e, com isso, a evaporação da água das chuvas favorece a umidade do ar. No entanto, há regiões que sofrem com longos períodos de estiagem e/ou com queimadas constantes, um problema que pode perdurar durante todo o ano e fazer com que o tempo seco seja algo permanente. 

Nesse cenário, seja ele constante ou não, os riscos à saúde são inerentes. Uma das principais consequências da baixa umidade é a desidratação, que pode causar irritação nos olhos, garganta e pele (contribuindo para problemas como a dermatite). Outro efeito comum é o ressecamento das mucosas das vias aéreas, que favorece o surgimento de alergias, distúrbios respiratórios (bronquite, asma, enfisema pulmonar), gripes e resfriados.

Além disso, o tempo seco pode aumentar os riscos de problemas cardíacos em pessoas que já apresentam algum comprometimento desse tipo, uma vez que, nessas condições climáticas, é preciso maior esforço do coração para manter a pressão arterial nos níveis normais.

Os brônquios também tendem a ficar mais fechados com a baixa umidade, o que prejudica o fluxo sanguíneo para os pulmões e, consequentemente, sobrecarrega o coração, o que representa um maior risco à saúde no caso de pessoas que sofrem de doenças cardíacas.

8 formas de minimizar os efeitos do tempo seco

Alguns cuidados podem minimizar os efeitos e os riscos à saúde que o tempo seco provoca, melhorando a respiração e o bem-estar. Confira os principais:

1. Hidrate-se constantemente

Considerando que a desidratação é uma das principais consequências do tempo seco, beber muita água é essencial para evitar essa complicação. O ideal é beber ao menos 2 litros de água por dia, então, mesmo que você não sinta sede, lembre-se de manter esse hábito.

2. Aposte em uma alimentação saudável

Evite alimentos ricos em sal e condimentos, pois favorecem a retenção de líquido e também podem elevar a pressão arterial. Opte por uma alimentação saudável, com muitas frutas e verduras, especialmente aquelas ricas em água: melão, melancia, chuchu, abobrinha, laranja, morango, tomate, abacaxi, espinafre, repolho, alface etc.

3. Combata o ressecamento das vias aéreas

Aplicar soro fisiológico nas narinas pode reduzir o risco de doenças respiratórias, congestão nasal e desconfortos. Você também pode utilizar nebulizadores ou inaladores (apenas com o soro fisiológico) para realizar essa umidificação e evitar o ressecamento das vias aéreas.

As crianças e os idosos precisam de maiores cuidados no tempo seco, visto que a saúde deles tende a ser mais frágil. (Fonte: Shutterstock)
As crianças e os idosos precisam de maiores cuidados no tempo seco, visto que a saúde deles tende a ser mais frágil. (Fonte: Shutterstock)

4. Evite exposição solar

A exposição direta ao sol pode causar desidratação, especialmente quando a umidade do ar está abaixo dos níveis recomendados. Então, nos dias quentes, é melhor evitar o contato solar.

5. Umidifique o ambiente

Os umidificadores de ar são uma alternativa muito eficiente para combater os efeitos do tempo seco em sua casa. Você pode deixá-los na sala ou no quarto, por exemplo. Outra alternativa prática é espalhar panos ou toalhas úmidas (ou até mesmo baldes com água) pelos cômodos.

6. Escolha bem o horário da prática de exercícios

Quando o tempo está seco, não é recomendado praticar exercícios físicos entre 10h e 16h, especialmente ao ar livre. Sempre que possível, realize as atividades no início ou fim do dia.

7. Mantenha a hidratação da pele

A pele pode sofrer muito com a baixa umidade do ar e uma forma de evitar isso é hidratá-la com frequência. Para isso, use hidratante no rosto e corpo ao menos uma vez no dia. Também é prudente deixar de lado os banhos muito quentes, que também podem ressecar a derme.

Hidratar a derme pode prevenir as complicações da baixa umidade. (Fonte: Shutterstock)
Hidratar a derme pode prevenir as complicações da baixa umidade. (Fonte: Shutterstock)

8. Faça o controle do seu lar

Por fim, fazer o controle do ambiente do seu lar pode reduzir os riscos à saúde. Mantenha a casa sempre limpa e arejada, evite itens que podem acumular pó (bichos de pelúcia, carpetes, tapetes e até cortinas) ou limpe-os com maior frequência, troque roupas de cama e toalhas de banho regularmente (podem acumular ácaros) e prefira a limpeza com aspiradores de pó ou panos úmidos, para evitar que “levante a poeira” e o ambiente fique ainda mais seco.  

Fonte: Governo do Mato Grosso do Sul, Biblioteca Virtual em Saúde. 

Este conteúdo foi útil para você?

109230cookie-checkTempo seco: 8 formas de reduzir os efeitos da baixa umidade