Vacina da Oxford não deve ser aplicada em gestantes, segundo Anvisa

11 de maio de 2021 3 mins. de leitura
Após possíveis eventos adversos no Brasil, 10 estados suspenderam a aplicação da vacina

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

As mulheres grávidas ou puérperas que pariram nos últimos 45 dias foram incluídas em abril pelo Ministério da Saúde no grupo prioritário de vacinação contra a covid-19. No entanto, uma nova recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda a suspensão imediata do imunizante da Oxford/AstraZeneca para este grupo.

A informação foi emitida por meio de nota técnica, que não tem um efeito de obrigatoriedade, e sim de orientação. Mas pelo menos dez estados e o Distrito Federal já suspenderam a aplicação do imunizante. A vacinação, nesses casos, deve ser realizada a partir de uma avaliação médica individual que considere os riscos e os benefícios para a paciente.

Até abril, o Brasil havia registrado aproximadamente mil mortes de grávidas ou mulheres que acabaram de dar à luz em decorrência da covid-19. O Ministério da Saúde chegou a recomendar às brasileiras que adiassem a gravidez por causa do agravamento da pandemia. 

Morte de grávida provocou suspensão

A orientação foi emitida pela Anvisa dias após a confirmação da morte de uma grávida pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Ainda que não haja um processo de investigação completo que relacione o óbito à aplicação do imunizante, as autoridades resolveram tomar medidas preventivas.

O produto desenvolvido pela Oxford não tem estudos de eficácia e reações adversas relacionados a gestantes, fetos e bebês. O Ministério da Saúde está buscando mais informações em outros países sobre o imunizante e, por enquanto, continua recomendando apenas em grávidas de grupos de risco.

Gestantes no grupo de risco de covid-19

Grávidas com comorbidades têm maior risco de complicações graves por conta da covid-19. (Fonte: Shutterstock/Marina Demidiuk/Reprodução)
Grávidas com comorbidades têm maior risco de complicações graves por conta da covid-19. (Fonte: Shutterstock/Marina Demidiuk/Reprodução)

Caso sejam infectadas pelo novo coronavírus, as gestantes têm maior risco de ter casos graves de covid-19 ou de morrer pela doença. Durante a pandemia, mais mulheres grávidas tiveram complicações e perdas gestacionais, segundo uma análise de 40 estudos em 17 países publicada na revista científica Lancet Global Health.

Uma equipe internacional de pesquisadores que trabalham em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou uma revisão de quase 200 estudos que envolveram 66 mil gestantes para descobrir os principais fatores de risco de covid-19 em grupo de mulheres grávidas, entre eles:

  • obesidade;
  • idade maior que 35 anos;
  • origem étnica não branca, como no caso de latinas e negras;
  • doenças imunes;
  • diabetes;
  • pressão alta;
  • asma;
  • terceiro trimestre de gestação.

Vacinas para grávidas

Médicos devem avaliar individualmente riscos e benefícios da aplicação de vacinas contra covid-19 em grávidas. (Fonte: Shutterstock/Prostock-studio/Reprodução)
Médicos devem avaliar individualmente riscos e benefícios da aplicação de vacinas contra covid-19 em grávidas. (Fonte: Shutterstock/Prostock-studio/Reprodução)

Uma pesquisa com mais de 35 mil pacientes realizada nos Estados Unidos mostraram a segurança da aplicação dos imunizantes da Pfizer e da Moderna em gestantes. As vacinas foram capazes de induzir uma resposta imune e, inclusive, as grávidas passaram anticorpos pelo cordão umbilical para o bebê.

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Agência Brasil, Lancet Global Health, The Conversation, Estadão.

Este conteúdo foi útil para você?

92280cookie-checkVacina da Oxford não deve ser aplicada em gestantes, segundo Anvisa