Conheça os inúmeros malefícios do consumo excessivo de sódio e como evitá-los

Dados apontam que o Brasil é um dos países com a maior taxa de consumo de sal. A quantidade recomendada diariamente é de 5 gramas; no entanto, a média brasileira é de 11 gramas, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas Brasil).

Essas estatísticas se reforçam com resultados de um estudo coordenado tecnicamente pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com a finalidade de traçar um perfil clínico da população brasileira e acompanhar o cenário das doenças crônicas não transmissíveis no país. Os resultados dos exames laboratoriais mostraram o alto consumo do condimento e sua relação com problemas de saúde, como a hipertensão arterial, que é a causa de muitas doenças crônicas, como as cardiovasculares e a renal.

De acordo com uma entrevista cedida ao site oficial da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a pesquisadora Célia Landmann Szwarcwald, coordenadora técnica da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), afirma que "a redução no consumo de sal é considerada, hoje, uma das intervenções de melhor custo-efetividade para reduzir as doenças crônicas não transmissíveis, sobretudo pela possibilidade de diminuição da pressão arterial média da população".

Szwarcwald também enfatiza que reduzir o uso na alimentação diminui significativamente o número de mortes prematuras, além de aumentar a expectativa de vida da população.

(Fonte: Pixabay)

Os riscos à saúde

Usado desde muito tempo para manter a qualidade dos alimentos, o sal ganhou, mais tarde, o status de “tempero”. No entanto, devido ao uso exagerado e aos problemas que ocasiona, hoje o condimento está no topo da lista dos vilões entre os alimentos.

Problemas de saúde causados pelo excesso de sódio no organismo

Hipertensão arterial

A hipertensão arterial é um fator de risco para a morbimortalidade cardiovascular. É uma doença silenciosa, que, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, atinge 32,5% da população (36 milhões de pessoas). Os dados são de 2016.

É claro que existem tratamentos e medicamentos seguros voltados a esse que é um dos males que afetam grande parte da população. No entanto, os cuidados com o estilo de vida e a alimentação podem fazer a diferença. Um exemplo é a moderação em alimentos que contêm alto teor de sódio e a diminuição do uso do sal de cozinha — um dos fatores controláveis da condição.

Problemas nos rins

O rim deve filtrar e excretar o sal, mas a sua capacidade para isso é limitada. Com o consumo alto, sua função fica comprometida, e isso gera o risco do desenvolvimento de cálculo renal. Importante reforçar que a hipertensão arterial pode ser, direta ou indiretamente, a causa da doença renal crônica.

Doenças cardiovasculares

Acidente Vascular Cerebral (AVC) e infarto são duas situações que podem ser decorrentes do consumo exagerado do tempero. Se reduzido para a quantidade recomendada, haverá uma diminuição de 15% nas taxas de óbitos por AVC e de 10% nas de infarto. As informações são do Blog da Saúde, do Ministério da Saúde.

Diabetes

Apesar de logo associarmos diabetes ao consumo de açúcar, o abuso de sal aumenta consideravelmente o risco do surgimento da doença. Trata-se de um tipo muito parecido com a diabetes 2, chamado “diabetes autominune latente em adultos” — LADA, sigla para o nome em inglês: latent autoimmune diabetes in adults.

(Fonte: Freepik)

Alternativas para substituir o sal

Para não fazer parte das estatísticas de problemas de saúde pública, é preciso estar atento aos sinais que o organismo envia, mas, sobretudo, se antecipar e adotar hábitos saudáveis. A fim de diminuir a quantidade de sal consumida, você pode usar recursos alternativos ao condimento.

Veja algumas opções:

  • alho, cebola e pimenta: usando bem essa combinação, é possível deixar a comida saborosa dispensando a adição de muito sal.
  • flor de sal: bastante semelhante ao sal usual, só que mais saudável.
  • orégano: muito utilizada na culinária italiana, essa erva aromática dá um delicioso sabor a molhos, frango e peixes.
  • tomilho: deixa vegetais assados, marinadas de carne e peixe assado muito mais gostosos. Além disso, é ótimo para a pressão sanguínea.
  • outras ervas aromáticas: além de orégano e tomilho, outras ervas podem deixar a comida deliciosa e evitar o alto consumo de sal. Algumas delas são coentro, manjericão, alecrim, louro e hortelã.

Sobre a redução do tempero para a promoção de uma dieta mais saudável, há também o comprometimento dos Estados membros da Organização Mundial da Saúde (OMS) com a implementação do Plano de Ação Global para a Redução de Doenças Não Comunicáveis. Entre as nove metas do plano, existe a de reduzir a ingestão de sal em 30% até 2025. A ideia é que sejam diminuídos os níveis de sódio/sal adicionados a alimentos preparados ou processados.

Fontes: Blog da Saúde Ministério da Saúde, Agência Fiocruz, OMS, OPAS, World Health Organization, Sociedade Brasileira de Cardiologia.