Atendimento remoto auxilia no tratamento de doenças crônicas

26 de agosto de 2020 4 mins. de leitura
De acordo com dados do IBGE, mais de 57 milhões de brasileiros sofrem com doenças crônicas

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) realizada em 2013 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 57,4 milhões de brasileiros têm pelo menos uma doença crônica. O tratamento dessas enfermidades pede o acompanhamento regular realizado por médicos, o que nem sempre é possível devido à distância ou falta de infraestrutura das cidades.

Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar.

Dados de 2012 do Conselho Federal de Medicina (CFM) demonstram que apenas 8% dos 388.015 médicos que o Brasil tinha naquele ano atuavam em cidades com até 50 mil habitantes. Uma das maneiras de solucionar esse problema seria usar o tratamento remoto, no qual as orientações médicas são feitas usando a tecnologia disponível, como videochamadas.

Atendimento remoto se tornou popular em 2020

O uso de tecnologias de comunicação no atendimento médico sempre foi alvo de debate entre os profissionais da área, sendo discutido desde 2002. Na época, o CFM permitia apenas a troca de informações entre médicos por e-mail.

Durante a pandemia de covid-19, o CFM permitiu o atendimento remoto em algumas modalidades. (Fonte: Shutterstock)

Dessa maneira, profissionais mais experientes em determinados tratamentos podem auxiliar colegas, vencendo a distância geográfica; contudo, apenas em 2020 a telemedicina ganhou mais espaço no dia a dia de pacientes e médicos. Por ser uma abordagem que respeita o isolamento social, tão necessário para conter a disseminação da covid-19, o CFM permitiu a teleorientação, o telemonitoramento e a teleinterconsulta.

Confira as diferenças:

  • Teleorientação: o médico pode orientar o paciente de modo remoto.
  • Telemonitoramento: o médico pode analisar remotamente parâmetros da doença que está sendo tratada.
  • Teleinterconsulta: é uma evolução da troca de informações entre médicos permitida desde 2002 por e-mail, que agora permite usar outras ferramentas digitais. Vale ressaltar que, por enquanto, as mudanças são válidas apenas durante o período da pandemia de covid-19.

Em abril deste ano, o Ministério da Saúde divulgou que mais de 2 milhões de brasileiros já haviam utilizado o TeleSUS para se informar sobre os sintomas da covid-19. Outras orientações sobre a doença também podem ser feitas pelo aplicativo Coronavírus SUS.

Análise de dados

Além de facilitar a comunicação, as novas tecnologias conseguem melhorar a análise e o compartilhamento de dados relacionados ao histórico dos pacientes. Essas informações podem ser cruzadas com outras fontes, como levantamentos, pesquisas e estatísticas, para gerar relatórios que contribuam para o desenvolvimento de estudos e a criação de novos protocolos sanitários.

Atendimento remoto pode ajudar brasileiros que sofrem com doenças crônicas. (Fonte: Shutterstock)

Para isso, é preciso usar ferramentas adequadas de coleta e análise de dados, criadas especialmente para a realidade dos profissionais de medicina, algo que já vem ocorrendo com o surgimento de empresas de tecnologia e startups voltadas a esse mercado.

Como o atendimento remoto tem sido usado na pandemia de coronavírus, é natural que os principais exemplos dos resultados dessa tecnologia estejam ligados à nova doença. Um caso recente é o do estudante de medicina Faissal Nemer Hajar, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que criou um sistema que usa informações oficiais, disponibilizadas pelo Ministério da Saúde e por Secretarias de Saúde, para analisar os casos de covid-19. Até o fim de maio, o estudante já havia mapeado mais de 160 mil casos.

O desafio de infraestrutura

Para que a tecnologia seja usada no tratamento das doenças crônicas, é preciso que o País avance diante dos desafios relacionados à infraestrutura do setor de comunicação remota. Dados do Ranking Global de Internet Móvel mostram que a conexão mobile do Brasil perde em qualidade para nações menores e mais pobres, como Myanmar e Kuwait. Como se sabe, a troca de informações por meio de aplicativos de mensagens, como Skype, WhatsApp e Telegram, perde qualidade quando a conexão de dados apresenta instabilidade.

Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Pesquisa Nacional de Saúde (2019), Estadão, Conselho Federal de Medicina, Conselho Federal de Medicina (CFM), Ministério da Saúde, Universidade Federal do Paraná e Governo de Goiás.

Gostou? Compartilhe!