Estudo testa combinação de medicamentos no combate à covid-19

14 de junho de 2020 4 mins. de leitura
Administração de remdesivir e baricitinibe pode reduzir número de óbitos causados pelo novo coronavírus

Pesquisadores da Faculdade de Medicina Albert Einstein, localizada em Nova York, estão testando um novo tratamento medicamentoso para a covid-19, cujos resultados podem ser relevantes no combate à doença. O estudo consiste em combinar dois fármacos (remdesivir e baricitinibe) e avaliar a resposta de organismos, que será a segunda etapa da pesquisa.

Inicialmente, os cientistas elaboraram um protocolo chamado Estudo de Tratamento Adaptativo (ACTT), no qual o remdesivir foi testado isoladamente em diferentes localidades. Esse medicamento trata-se de um antiviral de amplo espectro administrado por via intravenosa e que se demonstrou capaz de abreviar significativamente a recuperação de infectados pelo novo coronavírus. Dessa forma, os pacientes que receberam esse remédio se recuperaram, em média, em 11 dias — contra a média de 15 dias dos pacientes tratados com placebo.

Esse resultado foi publicado no New England Journal of Medicine. Dos 1063 participantes de ensaios clínicos, 91 deles (quase 10%) estavam internados no Hospital Montefiore, local onde a Faculdade de Medicina Albert Einstein aplicou os testes.

O cenário positivo levou os pesquisadores da instituição a iniciar a segunda etapa. Chamada de ACTT 2, essa fase prevê a continuidade do uso do remdesivir, mas associado ao baricitinibe. A pesquisa é financiada pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, que compõe o Instituto Nacional de Saúde (NIH, em inglês) — um conglomerado de centros de pesquisa que formam a agência governamental de pesquisa biomédica.

Controle de ocitocinas

Cientistas verificaram que a resposta do sistema imunológico ao novo coronavírus pode produzir hiperinflamação. (Fonte: Shutterstock)

A investigação sobre a associação do remdesivir com baricitinibe foi pensada pelos pesquisadores diante de uma preocupação importante: em todo o mundo, pacientes com covid-19 têm sofrido efeitos graves causados por reações imunológicas severas, que, em alguns casos, podem ser fatais.

Normalmente receitado para pacientes com inflamação associada à artrite reumatoide — doença autoimune em que o sistema imunológico ataca tecidos saudáveis —, o baricitinibe pode ser capaz de controlar a superprodução de efeitos imunológicos que pacientes com covid-19 costumam apresentar.

Segundo os cientistas, o objetivo é que o fármaco seja capaz de controlar a “tempestade de ocitocinas”, fenômeno imunológico que produz hiperinflamação.

Por isso, na fase ACTT 2, pacientes infectados pelo novo coronavírus e com sintomas moderados receberão remdesivir por via intravenosa por até 10 dias, de acordo com o calendário de recuperação. Além disso, os pacientes serão divididos em dois grupos: alguns receberão baricitinibe por até 14 dias, enquanto outros serão medicados com placebos em igual período.

Reduzir intensidade dos sintomas pode auxiliar no combate à covid-19. (Fonte: Ale Silva / Shutterstock)

Se a hipótese dos cientistas estiver correta, o baricitinibe combinado ao remdesivir poderá auxiliar no controle da “tempestade de ocitocinas” e resultar na redução do número de óbitos por covid-19, além de melhorar a qualidade de vida dos pacientes, uma vez que os sintomas podem ser mais severos que a doença em si, quando em um ambiente imunológico controlado.

Outro benefício se refere à saúde pública. Caso a combinação medicamentosa se revele eficaz, ela poderá auxiliar na diminuição do número de pacientes que demandam cuidados médicos intensivos — além de reduzir gastos, garante-se que a rede de leitos de UTI não fique saturada.

Interessou-se pelo assunto? Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar. Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Science Daily e Hospital Albert Einstein.

Gostou? Compartilhe!