Hospital Einstein: como a tecnologia ajuda na área da Saúde

21 de fevereiro de 2020 4 mins. de leitura
Hospital Israelita Albert Einstein criou há 4 anos um departamento dedicado à inovação tecnológica

A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, uma das maiores referências na Medicina, no Brasil, começou a investir forte na revolução tecnológica para transformar o atendimento de saúde dentro do hospital. Em 2017, a instituição criou uma diretoria própria, exclusiva para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras aplicadas à saúde.

O setor atua em colaboração com outras áreas do hospital, ligadas ao atendimento assistencial, laboratorial e de pesquisa do Einstein, para o desenvolvimento de soluções em telemedicina, m-health, Inteligência Artificial e bioinformática, além de equipamentos inovadores de interesse da Medicina.

O departamento já conta com mais de 40 profissionais, entre especialistas de gestão de inovação, propriedade intelectual, engenheiros, cientistas da computação, designers, pesquisadores e profissionais da saúde. Além disso, a diretoria atua em projetos em parceria com indústrias, laboratórios farmacêuticos nacionais e multinacionais, faculdades de Engenharia e de Ciência da Computação.

Innovation Lab

(Fonte: Hospital Albert Einstein/Divulgação)

O estabelecimento também tem um laboratório de inovação, o qual é dedicado à experimentação e à criação de produtos a fim de apoiar as áreas hospitalares em questões de propriedade intelectual e soluções inovadoras. O Innovation Lab é responsável pelo desenvolvimento de serviços e modelos de negócio, acompanhamento de tendências, como de projetos mobile, biotecnologia e machine learning.

O laboratório já desenvolveu uma série de aplicativos destinados à gestão de hospital, médicos e pacientes. Algumas soluções, inclusive, extrapolam a área da Medicina e acabam contribuindo para a inovação em outras áreas, como o aplicativo Escala.

O programa é direcionado para gestores hospitalares, mas também pode ser utilizado em serviços de transporte, vigilância, hotelaria, entre outros. O Escala organiza a jornada de trabalho de profissionais que trabalham por turnos ou plantões e permite a criação de escalas flexíveis, com regras personalizadas, oferecendo relatórios mensais por profissionais ou equipes.

Alguns aplicativos auxiliam também no acompanhamento de pacientes e no diagnóstico de enfermidades. O Gestão de Parto ajuda os profissionais da Saúde oferecendo a construção de partogramas em tempo real, armazenamento de cardiotocografias, além de acompanhar as condições clínicas da pacientes e registrar dados do nascimento da criança.

Os aplicativos Teledermato e Teleferidas permitem a realização de diagnóstico de patologias dermatológicas a distância. Já o Hep C Help fornece apoio aos médicos nas possibilidades de tratamento para a Hepatite C, com base em referências clínicas e em atualização permanente dos protocolos.

Direcionado aos pacientes do hospital, a instituição conta com o aplicativo Meu Einstein, no qual é possível pré-agendar atendimentos; acompanhar e compartilhar resultados de exames; consultar histórico; enviar diretamente ao médico os resultados e as imagens de procedimentos.

Além desses programas, o laboratório de inovação disponibiliza outros para o público em geral, como o aplicativo Einstein Vacinas. Este facilita o controle de vacinas para pacientes e membros da família, com informações sobre vacinas obrigatórias, comunicando quando e em quais unidades de atendimento se imunizar.

Parceria com Startups de Saúde

(Fonte: Hospital Albert Einstein/Divulgação)

O hospital mantém uma relação próxima com startups da área de Saúde. Nos últimos quatro anos, a instituição chegou a receber 1,3 mil startups para conhecer as suas soluções. Hoje, o Einstein conta com a colaboração de 33 startups, surgidas dentro e fora dele.

Essas empresas contam com uma incubadora, a “Eretz.bio Einstein”, que coloca à disposição dos empreendedores estruturas laboratoriais e condições para desenvolver pilotos em unidades hospitalares, além de acesso facilitado aos profissionais e pesquisadores da instituição.

As startups selecionadas para participar da incubadora contam também com o auxílio para questões de propriedade intelectual; desenvolvimento de software e de equipamento; preparação de projetos; captação de recursos e acesso a bancos de fomento; venture capital e investidores anjo.

Os projetos envolvem: tecnologia biológica para diagnósticos e terapias; soluções de saúde digital para o suporte ao paciente e ao médico, inclusive com Inteligência Artificial e Reconhecimento Facial; equipamentos médicos e impressoras 3D. Entre as iniciativas apoiadas, está a startup Insitu, focada em medicina regenerativa, que produz biocurativos com células-tronco para aplicação em feridas crônicas ou queimaduras graves.

Fontes: Estadão, Hospital Albert Einstein.

Gostou? Compartilhe!