Apple Watch: monitoramento cardíaco já conseguiu salvar vidas

27 de setembro de 2019 3 mins. de leitura
O Sistema Único de Saúde oferece serviços e tratamentos de forma gratuita

Imagine a seguinte situação: você está sozinho em casa e sente um mal-estar repentino. O desconforto é tão grande que o impede de alcançar o telefone e acionar a emergência. O resultado pode ser fatal.

Esse cenário mórbido pode se tornar uma coisa do passado distante na medida em que se popularizam as tecnologias vestíveis, como é o caso do Apple Watch. A partir da sua quarta geração, o relógio inteligente recebeu atualizações que vão muito além de checar as mensagens sem retirar o iPhone do bolso.

O Apple Watch monitora e registra os batimentos do coração do usuário o tempo todo. Mais do que apenas apresentar o número da frequência cardíaca, o dispositivo já vem programado com alertas caso marque mais do que 120 bpm ou menos do que 40 bpm — esses valores podem ser alterados a depender da condição específica da pessoa. Se, depois de apresentar a notificação, o aparelho não detectar atividade, pode ser programado para fazer uma chamada automática de emergência.

Segundo matéria publicada pelo jornal britânico The Daily Telegraph, foi isso que salvou Paul Hutton, de 48 anos de idade. Seu Apple Watch o avisou que seus batimentos estavam constantemente caindo, chegando a menos de 40 bmp. O problema persistiu mesmo depois de ele ir a um clínico geral e parar a ingestão de cafeína. Com os alertas persistindo, Hutton procurou um especialista, que o encaminhou para a cirurgia, resolvendo um problema que seria potencialmente fatal.

O relógio da Apple também vem programado para detectar arritmia, sugerindo que a pessoa procure um médico. Esse caso aconteceu com um usuário da rede social Reddit. Segundo o Mashable, que replicou o relato, o homem estava vendo TV quando o smartwatch começou a emitir sons indicando que a frequência cardíaca estava “muito estranha”. O homem conseguiu chamar a emergência, que o encontrou já inconsciente.

O acelerômetro e o giroscópio, que detectam movimentos e conseguem calcular a posição do corpo, também podem detectar casos de queda. Um alerta semelhante ao dos batimentos cardíacos aparece e, em caso de inatividade, os serviços de emergência podem ser acionados. Foi o que salvou a vida de Toralv Østvang, ainda segundo o Mashable. O senhor de 67 anos de idade caiu no banheiro e ficou inconsciente, mas seu Apple Watch detectou a anomalia e foi capaz de chamar a emergência.

Curtiu o assunto? Saiba mais sobre inovação e diferentes tecnologias aplicadas à medicina; clique aqui.

Fontes: Apple, The Daily Telegraph, Mashable.

Gostou? Compartilhe!