Vacina contra a covid-19: pesquisadores buscam opção de baixo custo

30 de abril de 2021 4 mins. de leitura
Nova formulação da vacina pode proporcionar mais doses do imunizante com custo menor às nações

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Com o intuito de combater o novo coronavírus, diversas empresas estão desenvolvendo vacinas em um esforço para que todas as nações sejam imunizadas. Atualmente, uma fórmula criada para auxiliar os países de renda baixa e média está sendo testada no Brasil, na Tailândia, no Vietnã e no México.

A chamada “NDV-HXP-S” utiliza em sua formulação um desenho molecular diferente, em que o esperado é a criação de anticorpos mais potentes que os imunizantes já lançados no mercado. Além disso, com essa nova fórmula, busca-se unir baixo custo de produção e maior facilidade de gerar muitas doses. 

Para isso, foi escolhida uma técnica já conhecida no mundo científico e usada para produzir bilhões de doses de vacina contra a gripe todos os anos, que consiste em utilizar ovos de galinha.

Conforme os ensaios clínicos indicaram, a NDV-HXP-S pode ser uma forma segura e eficaz de se produzir doses em massa de modo que os países mais pobres não precisem depender apenas das vacinas oferecidas pelos países ricos, já que podem fabricá-las em seu território ou comprá-las a custo baixo das nações vizinhas.

A primeira fase da pesquisa será concluída no mês de julho, quando será possível saber se o novo imunizante funciona de modo eficaz nas pessoas, mas ainda levará alguns meses para que haja a fase final de estudos. Por enquanto, os testes feitos em animais foram positivos, dando esperanças aos pesquisadores.

Vacina de baixo custo é produzida com a utilização de ovos de galinha

A fabricação em ovos de galinha pode gerar de cinco a dez doses em um único ovo, agilizando a produção do imunizante. (Fonte: Shutterstock)
A fabricação em ovos de galinha pode gerar de cinco a dez doses em um único ovo, agilizando a produção do imunizante. (Fonte: Shutterstock)

Para a vacina NDV-HXP-S ser fabricada, o vírus é injetado nos ovos, de modo que dentro as moléculas consigam reproduzir cópias em abundância. Após um período, os pesquisadores extraem os vírus desses ovos, enfraquecendo-os ou matando-os para posteriormente colocar nas vacinas e gerar o imunizante.

Se a pesquisa for 100% efetiva, as fábricas que já utilizam a técnica em todo o mundo podem focar em produzir em larga escala, já que um único ovo pode render de cinco a dez doses de NDV-HXP-S. Dessa forma será mais fácil proteger a população, evitando novos casos por diminuir a transmissão do vírus.

A PATH, organização internacional de saúde sem fins lucrativos, realizou a conexão entre os fabricantes de vacina e a utilização da técnica em ovos para a produção do novo imunizante. Em março, o Instituto de Vacinas (Vietnã) anunciou que começaria um estudo clínico, em seguida a Tailândia fez o mesmo.

Aqui no Brasil, o Instituto Butantan já pediu a autorização para também iniciar seus próprios testes clínicos para a NDV-HPX-S.

Perspectiva de produção própria anima países de baixa renda

A produção de vacinas de baixo custo vai ajudar a diminuir a dependência dos países da importação de imunizantes. (Fonte: Shutterstock)
A produção de vacinas de baixo custo vai ajudar a diminuir a dependência dos países da importação de imunizantes. (Fonte: Shutterstock)

As atuais vacinas disponíveis no mercado necessitam de ingredientes caros e especiais para que a produção seja realizada: a da Moderna, por exemplo, precisa de material genético do tipo nucleotídeos, além de um ácido graxo produzido sob medida. 

Para os países de baixa e média renda, fabricar o próprio imunizante teria grande impacto positivo, pois eles não dependeriam tanto da importação e poderiam agilizar doses para sua população em suas fábricas de vacinas tradicionais. 

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: The New York Times.

Este conteúdo foi útil para você?

90650cookie-checkVacina contra a covid-19: pesquisadores buscam opção de baixo custo