Covid-19: profissionais da saúde podem se voluntariar para vacina

1 de setembro de 2020 5 mins. de leitura
Em parceria com empresa chinesa, Instituto Butantan deve testar eficácia de nova vacina em 9 mil voluntários

O Instituto Butantan anunciou grandes novidades no combate à pandemia do novo coronavírus. Em parceria com a empresa chinesa Sinovac, pesquisadores brasileiros devem começar a testar uma nova vacina em profissionais da saúde durante os próximos meses.

Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar.

O acordo fechado entre o governador de São Paulo, João Doria, e o diretor do Butantan, Dimas Covas, no começo de junho prevê a testagem de 9 mil doses em voluntários espalhados pelo Brasil. Caso comprovada a eficácia do produto em estágio avançado, uma nova leva pode ser distribuída até junho de 2021.

Em seu site oficial, o Instituto Butantan disponibiliza um QR code para aqueles que pretendem participar da etapa de triagem, que configura quem está apto a receber a CoronaVac.

Vacina brasileira passa por testes

Brasil pode se tornar referência na produção de vacina contra covid-19. (Fonte: Shutterstock)

O laboratório brasileiro de pesquisas tem se mostrado extremamente otimista quanto ao andamento da nova vacina. A Sinovac, sediada em Pequim, diz já ter realizado experimentos bem-sucedidos com o produto em mais de 1 mil chineses durante as fases clínicas 1 e 2, necessárias antes da aprovação oficial.

A China foi o primeiro país a ter que lidar com a covid-19 e aparenta ter a situação da pandemia controlada depois de oito meses. Antes dos testes em humanos, a CoronaVac foi aprovada em aplicações de laboratório e em macacos.

Caso o produto consiga a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é possível que o Brasil se torne uma das referências internacionais no combate ao coronavírus. O Instituto Butantan tem como objetivo firmar parceria tecnológica com os chineses para que a produção em massa de doses da vacina ocorra em território nacional e possa ser distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Em declaração oficial, Covas exaltou o trabalho do laboratório durante o período de crise: “O Instituto Butantan está direcionando toda a sua energia na vacina da covid-19. Nosso compromisso é trazer solução para essa epidemia, para o povo brasileiro, e contribuir para outros países da América Latina e do mundo”.

Avanços da vacina pelo mundo

Atualmente, existem cerca de 136 candidatas a vacina contra o novo coronavírus, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mas apenas dez delas estão no estágio de ensaio clínico, o qual permite que testes em humanos sejam conduzidos pelas instituições.

O procedimento utilizado para a criação de uma imunização para a covid-19 tem sido o mesmo aplicado em outras vacinas historicamente renomadas, como a da poliomielite e a do sarampo. Os cientistas separam fragmentos do vírus Sars-CoV-2 para serem inoculados nos seres humanos, o que faria com que o nosso sistema imune produzisse anticorpos contra a doença.

Quais são as etapas para a aprovação de uma vacina?

Vacina precisa passar por três etapas antes de ser aprovada. (Fonte: Shutterstock)

Antes que uma vacina chegue ao mercado geral, é preciso que passe por um crivo rigoroso. São três etapas fundamentais no processo de desenvolvimento de um produto que siga as normas éticas e os padrões de qualidade: laboratorial, pré-clínica e clínica.

  • Fase laboratorial

A pesquisa inicial se restringe à testagem em laboratório, onde são avaliadas centenas de moléculas do vírus para decidir quais são as mais adequadas para compor uma vacina.

  • Fase pré-clínica ou não clínica

No segundo estágio, quando já se tem em mente quais devem ser os componentes da imunização, ocorre a testagem em animais. Normalmente macacos ou ratos de laboratório recebem uma dose do produto, e os cientistas podem comprovar a eficácia dos dados obtidos na experimentação in vitro.

  • Fase clínica

A última e mais importante das fases de verificação da vacina acaba sendo a que exige mais cautela. Os laboratórios estão autorizados a testar o produto em seres humanos, o que acontece durante três etapas. Antes que se avalie em larga escala, cerca de 80 indivíduos são utilizados como cobaias; normalmente, são adultos saudáveis e que se voluntariaram para participar do processo.

Depois que a vacina é rotulada como segura para os seres humanos, expande-se a quantidade de indivíduos testados e o grupo passa a ser mais diverso, chegando à casa de centenas. Por fim, a vacina chega para milhares de pessoas, mas o produto segue sendo monitorado na busca de eventuais reações que sua utilização possa causar. Essa é a etapa em que as agências reguladores concedem o aval para a produção em massa e as instituições podem trabalhar para levá-la ao público.

Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Instituto Butantan, Governo de São Paulo, Estadão e Paraná Portal.

Gostou? Compartilhe!