Cesáreas caem 12% em atendimentos da saúde suplementar no Brasil - Summit Saúde

Cesáreas caem 12% em atendimentos da saúde suplementar no Brasil

28 de janeiro de 2021 4 mins. de leitura

A queda é o resultado de um programa de conscientização da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Publicidade

O Brasil é o segundo país no mundo que mais realiza cesáreas, perdendo apenas para a República Dominicana. Essa posição é o resultado de um estudo feito pela Universidade de Gante, na Bélgica, no qual foi concluído que cerca de 44% dos casos mundiais desse tipo de parto acontecem na América Latina.

Cesárea no Brasil

Mostrando o oposto da posição brasileira, uma pesquisa publicada pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) apresentou uma queda de 12% no número de cesarianas feitas por mulheres beneficiárias de planos de saúde; além disso, foi identificado um aumento de 5,6% na quantidade de partos normais.

Ainda assim, 416 mil bebês nasceram por meio de cesárea e 82 mil de parto normal em 2019. Estima-se que os casos de cesariana sejam 55% do total de nascimentos no Brasil. O índice é 40 pontos percentuais acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera aceitável que 15% dos partos feitos sejam por cesárea.

Os números estão na publicação Análise da assistência à saúde da mulher na saúde suplementar brasileira entre 2014 e 2019, e a pesquisa só faz referência às mulheres que fizeram os partos por meio de plano de saúde.

O parto normal é a opção mais apropriada na maioria dos casos de gravídez. (Fonte: Shutterstock)
O parto normal é a opção mais apropriada na maioria dos casos de gravídez. (Fonte: Shutterstock)

Programa de conscientização

A diminuição no número de cesarianas feitas por meio dos planos de saúde é uma consequência de um trabalho de educação promovido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e desenvolvido em conjunto com o Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) e o Institute for Healthcare Improvement (IHI), tendo o apoio do Ministério da Saúde.

Batizado de Parto Adequado, o programa busca diminuir o número de cesáreas desnecessárias no Brasil. Desde a sua criação, em 2015, a iniciativa já conseguiu impedir cerca de 20 mil casos não necessários de cesariana.

As diferenças da cesárea para o parto normal

A cesariana se diferencia do parto normal principalmente na hora do trabalho de parto e no período após o procedimento, que é a recuperação da mulher. Durante o nascimento do bebê, a mulher é anestesiada para a remoção da criança. 

Assim, ela não sente nenhuma dor, e o trabalho de parto é mais curto, levando cerca de uma hora. Porém, essa condição de cirurgia também aumenta os riscos de complicações durante o ato, que também podem aumentar o tempo de duração.

Quando o assunto é o pós-parto, a cesariana é acompanhada de algumas tendências negativas, como recuperação mais lenta, maior dor e período de cicatrização, além de uma amamentação mais difícil e um maior risco de doenças respiratórias no bebê.

É necessário que a mulher fique internada pelo menos mais três dias após o parto, já que ela terá dificuldades para levantar, caminhar e fazer movimentos bruscos com a região do abdômen, precisando ficar até três meses sem fazer exercícios físicos abdominais. Em casos mais dolorosos, analgésicos podem ser necessários.

Além da cicatriz maior, a cesárea pode gerar a sensação de barriga adormecida na mulher. (Fonte: Shutterstock)
Além da cicatriz maior, a cesárea pode gerar a sensação de barriga adormecida na mulher. (Fonte: Shutterstock)

Quando é indicado fazer uma cesariana?

Ainda com essas características, que podem ser vistas como negativas, a prática é indicada em alguns casos específicos de gravidez. Um deles é quando o trabalho de parto não está acontecendo naturalmente ou mesmo com a tentativa de indução por meio de remédios.

Nesse sentido, é comum também que a cesariana seja utilizada em casos nos quais a mãe tem alguma condição médica que possa trazer risco a ela (como doenças cardiovasculares, pulmonares graves ou doença inflamatória intestinal) ou ao bebê, em casos de contaminá-lo com alguma patologia, como AIDS e herpes genital. 

Fora o que foi citado, é comum optar pela cesárea quando há:

  • bebê acima de 4,5 quilos;
  • bebê sentado ou na posição transversal;
  • malformações congênitas;
  • gravidez de gêmeos com feto pélvico ou alguma apresentação anômala;
  • sofrimento fetal agudo;
  • placenta prévia, descolamento prematuro da placenta ou posição anormal do cordão umbilical.

Conheça o maior e mais relevante evento de saúde do Brasil

Fontes: Medicina S/A, Tua Saúde, Minha Vida, ANS.

83860cookie-checkCesáreas caem 12% em atendimentos da saúde suplementar no Brasil

Webstories