Confiança mundial na ciência sobe durante pandemia - Summit Saúde

Confiança mundial na ciência sobe durante pandemia

8 de dezembro de 2020 4 mins. de leitura

Ceticismo em relação à área cai pela primeira vez em 3 anos, aponta estudo

Publicidade

A população mundial passou a apreciar mais o trabalho da ciência e confiar mais nos cientistas durante 2020 em comparação com os anos anteriores, segundo a pesquisa anual feita pelo grupo econômico de tecnologia diversificada 3M Company.

De acordo com os dados apresentados, essa é a primeira vez em três anos que o nível de ceticismo relacionado à área de pesquisa científica diminuiu. Cerca de 35% dos entrevistados responderam ter algum tipo de questionamento sobre a integridade do setor no período pré-pandêmico, número que diminuiu para 28% nos meses subsequentes.

Importância da ciência

Durante a pandemia de covid-19, pessoas passaram a dar mais crédito para a ciência. (Fonte: Shutterstock)
Durante a pandemia de covid-19, pessoas passaram a dar mais crédito para a ciência. (Fonte: Shutterstock)

Os números indicam que 69% das pessoas enxergam a ciência como “muito importante para a sociedade de maneira geral” e 54% entendem que ela é “muito importante em seu cotidiano” — ambas tiveram crescimento de 11% e 10% na pré-pandemia, respectivamente. Além disso, 92% dos entrevistados acreditam que a melhor maneira de lidar com a covid-19 e tomar medidas para diminuir a propagação do vírus Sars-CoV-2 é seguir as orientações e as evidências científicas descobertas por laboratórios e pesquisadores.

O levantamento da 3M Company demonstra que boa parte dos indivíduos entende que um planeta sem pesquisa científica é mais exposto a problemas. Com isso, 82% responderam que “existem consequências negativas para um mundo que não valoriza a ciência”.

Ceticismo ainda existe

Apesar dos números crescentes exibidos na última edição do estudo, ainda existe uma parcela considerável de pessoas que não conseguem perceber os impactos da pesquisa científica em diversas esferas da sociedade. Em 63% dos casos, os entrevistados informaram quase não pensar sobre o impacto da ciência na vida. Aliado a isso, 32% responderam acreditar que sua vida não seria afetada em nada caso a ciência simplesmente não existisse.

Prioridades científicas

A ascensão dos casos de coronavírus em todos os continentes também acabou sendo responsável por uma transformação na percepção geral sobre qual precisa ser a prioridade do setor científico daqui para frente. No momento, 80% dos entrevistados acham que o desenvolvimento de uma cura para a covid-19 é o tópico mais relevante para ter os esforços direcionados.

A cura para doenças como câncer, a equidade na educação, a justiça social e o desemprego aparecem logo em seguida como assuntos em destaque. O aquecimento global e a mitigação dos efeitos climáticos, que estavam na primeira colocação antes da pandemia, caíram para o quarto lugar e foram citados em 51% das entrevistas.

Apesar disso, o sistema de saúde como um todo é compreendido como uma das maiores prioridades com espaço para desenvolvimento científico no futuro e surge como uma constante na pesquisa realizada em 2020 e nos anos anteriores.

Acessibilidade nos estudos

Geração Z e millennials se sentem desencorajados a seguir carreira científica. (Fonte: Shutterstock)
Geração Z e millennials se sentem desencorajados a seguir carreira científica. (Fonte: Shutterstock)

O maior problema vivido pelas próximas gerações relacionado ao setor da ciência é o medo crescente dos jovens em relação a seguir uma profissão no segmento. Conforme as informações trazidas pela pesquisa da 3M Company, uma a cada seis pessoas (17%) respondeu ter se sentido desencorajada a atuar na área quando ainda era estudante.

Esse número é ainda mais preocupante quando os entrevistados são divididos por faixas etárias. Os millennials, nascidos na década de 1980 até o fim do século, e a geração Z, nascida no fim dos anos 1990 e início de 2010, são a parcela mais receosa em seguir uma carreira científica, com 24% e 28% das respostas, respectivamente.

Os principais motivos citados dessa “barreira educacional” são a falta de acesso às aulas de Ciência (36%) e alguma forma de iniquidade de raça, etnia ou gênero (27%). Nos Estados Unidos, o último fator é apontado como razão principal para 50% dos casos de desistência.

Em contrapartida, a pandemia despertou um senso de urgência na necessidade de desenvolvimento do sistema educacional. De acordo com o relatório, 73% das pessoas concordam que a educação científica é crucial para o desenvolvimento dos jovens.

Conheça o maior e mais relevante evento de saúde do Brasil

Fonte: 3M Company.

80470cookie-checkConfiança mundial na ciência sobe durante pandemia

Webstories