O que é um aneurisma cerebral?

4 de janeiro de 2022 4 mins. de leitura
Dilatação dos vasos sanguíneos pode se desenvolver de forma lenta e silenciosa, exigindo cuidados especiais

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

O aneurisma cerebral é uma doença muito comum no Brasil. Em âmbito mundial, ela atinge entre dez e 15 pessoas em cada grupo de 100 mil habitantes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Por se desenvolver muitas vezes de forma silenciosa, seu diagnóstico é mais difícil. 

A doença divide-se entre duas classificações: o aneurisma que se rompe e aquele que não rompe. Estima-se que entre 2% e 5% da população geral é afetada por aneurismas que não se rompem. A taxa de mortalidade da doença varia de acordo com o país. 

O Hospital Israelita Albert Einstein estima que o Brasil tenha índices semelhantes aos dos Estados Unidos. Dessa forma, pode-se esperar uma taxa de mortalidade de 37% dos enfermos. 

O que é?

A doença é causada pela dilatação da parede dos vasos sanguíneos que levam o sangue até o cérebro. Por conta do movimento as paredes dessas artérias se tornam mais finas, o que aumenta os riscos de rompimento. Além do cérebro, as artérias aortas, que levam o sangue para fora do coração, também são conhecidas por sofrer aneurismas.

Caso aconteça um rompimento da parede do vaso sanguíneo — consequentemente um rompimento do aneurisma cerebral — ocorre um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico. A gravidade do rompimento depende de alguns fatores, como o tamanho do sangramento na região.

Dor de cabeça é um dos principais sintomas do aneurisma cerebral. (Fonte: Shutterstock/Red Fox Studios/Reprodução)
Dor de cabeça é um dos principais sintomas do aneurisma cerebral. (Fonte: Shutterstock/Red Fox Studios/Reprodução)

Sintomas

Os sintomas tendem a ser bastante discretos no começo, aparecendo apenas quando acontece o rompimento da parede do vaso sanguíneo. Entretanto, algumas pessoas relataram os seguintes sinais que os levaram a descobrir a doença: 

  • dor constante atrás do olho;
  • pupilas dilatadas em apenas um dos olhos;
  • visão dupla;
  • formigamento no rosto ou na cabeça.

Ainda assim, normalmente, a presença do aneurisma só é percebida quando acontece o rompimento ou vazamento de sangue da artéria. Nesses casos, o sangue se espalha pelas membranas que cobrem o cérebro. Os principais sintomas são: 

  • dor de cabeça muito intensa, repentina e que aumenta com o tempo;
  • pescoço duro;
  • visão dupla ou embaçada;
  • náuseas e vômitos;
  • alterações nos batimentos cardíacos e na respiração;
  • convulsões;
  • confusão mental;
  • perda de consciência.

Causas 

É difícil apresentar as exatas razões para o desenvolvimento do aneurisma cerebral. Entretanto, estima-se que o histórico familiar influencie na predisposição genética do paciente, com 15% dos casos sendo consequência de histórico familiar. Em algumas situações, a pessoa pode nascer com a doença.

Acredita-se também que os seguintes fatores aumentam as chances de desenvolver o aneurisma: 

Arte ilustrando a dilatação do vaso sanguíneo. (Fonte: Shutterstock/Designua/Reprodução)
Arte ilustrando a dilatação do vaso sanguíneo. (Fonte: Shutterstock/Designua/Reprodução)

Opções de tratamento

O que vai definir o tratamento da doença é o rompimento ou o não rompimento da artéria. Em casos sem rompimento, é normal que seja feita uma avaliação do tamanho do vaso sanguíneo e um acompanhamento da dilatação para garantir que não esteja aumentando de tamanho. 

Caso o paciente esteja com algum sintoma, podem ser receitados remédios para diminuí-los, mas eles não previnem o rompimento ou curam a doença. Se a situação do aneurisma for muito séria, o médico pode optar por fazer uma cirurgia endovascular para colocar um stent, que serve para prevenir o rompimento. Entretanto, o procedimento é muito delicado, existindo um grande risco de romper o vaso sanguíneo durante a cirurgia.

Nos casos de aneurisma rompido, o único tratamento possível é a cirurgia, considerada de urgência. É necessário fechar o vaso sanguíneo o quanto antes, para evitar que a hemorragia se espalhe e evitar ao máximo as sequelas.

Segundo o médico Drauzio Varella, em seu blog, a doença é grave e apenas 2/3 dos pacientes sobrevivem, sendo que metade deles acaba apresentando sequelas após o tratamento.

Fonte: Tua Saúde, HCor, UOL – Drauzio Varella, Tua Saúde.

Este conteúdo foi útil para você?

113680cookie-checkO que é um aneurisma cerebral?