Preço de remédios para hospitais brasileiros cai 2,8% em setembro

10 de novembro de 2020 4 mins. de leitura
Alterações na taxa de câmbio e alta demanda fizeram com que preços tivessem constantes acréscimos durante a pandemia

Após os preços dos medicamentos vendidos para os hospitais terem subido em 16,4% durante os primeiros cinco meses da pandemia de covid-19, segundo o Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H), o Brasil voltou a ter um recuo no mês de setembro na casa de 2,48%.

De acordo com a pesquisa feita pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pela Bionexo, a queda foi impactada, sobretudo, pela redução de valores dos remédios relacionados ao aparelho cardiovascular, sistema nervoso e preparados hormonais sistêmicos. Os decréscimos foram de 8,92%, 4,68% e 4,43%, respectivamente. 

De maneira geral, o resultado apresentado pelo IPM-H manteve-se abaixo da inflação oficial do país, que teve crescimento registrado de 0,64%, medida pelo IPCA/IBGE, e também do comportamento dos preços medido pelo IGP-M/FGV, com aumento de 4,34%.

Aumento dos preços

Desvalorização do real frente ao dólar é um dos motivos que levou ao aumento do preço dos remédios durante a pandemia. (Fonte: Shutterstock)
Desvalorização do real frente ao dólar é um dos motivos que levou ao aumento do preço dos remédios durante a pandemia. (Fonte: Shutterstock)

Enquanto o contágio da covid-19 subia expressivamente em todo território nacional na primeira metade de 2020, a urgência por remédios que cumprissem a função de analgesia, anestesia, suporte respiratório e suporte vital resultou na crescente dos preços no setor medicamentoso. 

Na época, os preparados hormonais sistêmicos e do sistema musculoesquelético, que são utilizados para o tratamento de pacientes dentro das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), também sofreram aumento considerável de 21,8% e 18,2%.

Covid-19 e a demanda por medicamentos

A procura por antidepressivos e estabilizadores de humor cresceu em 14% durante pandemia. (Fonte: Shutterstock)
A procura por antidepressivos e estabilizadores de humor cresceu em 14% durante pandemia. (Fonte: Shutterstock)

A pandemia gerou um aumento de preço no valor não só dos medicamentos destinados ao tratamento de pacientes com covid-19, como também teve forte impacto no setor relacionado à saúde mental. Com o aumento das medidas de isolamento social, as mazelas financeiras e o desemprego, os remédios psiquiátricos tiveram um crescimento de demanda. 

Segundo o relatório feito pela consultoria IQVIA a pedido do Conselho Federal de Farmácia (CFF), houve um crescimento de 14% na venda de antidepressivos e estabilizadores de humor durante os meses de janeiro a julho de 2020, em comparação com o mesmo período em 2019.

Em termos comparativos, as unidades vendidas observaram um salto expressivo de 56,3 milhões, em 2019, para 64,1 milhões, em 2020. 

Como é feito o cálculo do preço dos remédios?

No Brasil, a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) é o órgão governamental, composto com membros de diversas pastas do governo, responsável por definir a variação de preços de medicamentos dentro do País.

Entre os fatores levados em consideração para a realização dos ajustes financeiros estão:

  • índice de inflação acumulada nos últimos 12 meses e calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA);
  • produtividade nacional farmacêutica;
  • custo dos insumos para a produção de medicamentos;
  • concorrência de mercado entre as empresas do setor.

Além disso, também é levado em consideração no cálculo a taxa de participação dos medicamentos genéricos no mercado, que determina a competitividade das vendas. Portanto, quanto mais remédios genéricos estiverem presentes nas prateleiras farmacêuticas, menores são os ganhos de cada empresa e maiores são os repasses inflacionários ao consumidor, que precisa desembolsar mais para realizar a aquisição.

Por fim, o órgão também monitora a situação de variação cambial e os índices de preços da energia elétrica brasileira. A política interna do CMED visa combater as práticas de preços abusivos dentro do setor farmacêutico e evitar que ocorra reajustes não autorizados.

Confira a programação completa do maior congresso de saúde do Brasil e garanta sua inscrição.

Fontes: Medicina S.A, Saúde Brasil Net, CFF, Agência Brasil, Shutterstock.

Gostou? Compartilhe!