Telemedicina no Brasil: o que é e onde a encontrar

25 de junho de 2019 4 mins. de leitura
Ainda que enfrente resistência, a medicina a distância vem conquistando seu espaço no Brasil

A Telemedicina, ou medicina a distância, é uma forma de utilização dos meios de comunicação ou tecnológicos para atendimento de saúde. E isso não se resume a consultas médicas, aconselhamento ou entrega de exames; também pode englobar cirurgias feitas com braços robóticos e acompanhamento de pacientes crônicos, por exemplo.

Apesar de ser relativamente incipiente e ainda enfrentar críticas, a Telemedicina vem avançando no Brasil, tanto no serviço privado quanto no público.

Aplicações da Telemedicina

Assim como a medicina tem diversas especialidades, na Telemedicina existem diferentes aplicações. Ela pode ser feita por telefone, e-mail ou videoconferência, abrangendo regiões remotas que, por vezes, não dispõem de médicos especialistas. Conheça algumas:

  • interconsultas: casos em que um paciente precisa que médicos de especialidades diferentes trabalhem em conjunto para trocar opiniões e discutir a situação. A interconsulta permite que isso seja feito de forma rápida e eficiente, evitando deslocamentos desnecessários.
  • consulta: uma consulta que pode ser feita por telefone ou vídeo; nela o paciente busca a orientação de um médico em um atendimento primário.
  • diagnóstico: o paciente pode descrever e enviar imagens de seus sintomas para que o médico emita um laudo ou diagnóstico.
  • triagem: serviço em que o paciente liga para uma central e, com o auxílio de um clínico geral — ou especialista, caso necessário —, encontra qual caminho deve seguir: ir para o pronto-socorro ou agendar uma consulta, por exemplo.
  • cirurgias: procedimentos cirúrgicos realizados por robôs e controlados a distância por médicos qualificados.

Onde encontrar

Diversas universidades públicas estão aderindo à Telemedicina. A Universidade Federal de Santa Catarina, a Universidade do Estado do Amazonas, a Universidade Federal de Minas Gerais, a Universidade de São Paulo e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul são algumas das que criaram ou participam de projetos ligados a práticas de medicina a distância.

Muitos hospitais consagrados também vêm utilizando o recurso, como o Hospital Israelita Albert Einstein, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, o Hospital Santa Marcelina e o Hospital do Câncer de Barretos. Além deles, diversos planos de saúde e operadoras de seguro privados têm recorrido à Telemedicina para otimizar o atendimento aos seus segurados.

Realidade brasileira

A Rede Universitária de Telemedicina (RUTE) é uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia em conjunto com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Associação Brasileira de Hospitais Universitários (Abrahue). Coordenada pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), seu objetivo é prover infraestrutura de serviços de comunicação para serviços médicos já existentes. Dessa maneira, trata-se de um dos exemplos de como a Telemedicina vem avançando nos serviços de saúde no Brasil.

Ainda existe certa resistência à prática da Telemedicina no Brasil. Em fevereiro de 2019, o Conselho Federal de Medicina (CFM) chegou a aprovar a Resolução nº 2.227/2018, que regulamentava e dava diretrizes para a área; entretanto, após pressões de médicos e entidades que representam a classe, ela foi revogada. Segundo o CFM, foi solicitado mais tempo para a revisão do texto do documento, bem como alterações. Enquanto a nova versão não for aprovada, a Telemedicina segue sob as regras da Resolução nº 1.643/2002.

O CFM estendeu até o dia 31 de julho de 2019 o prazo para envio de novas propostas de mudanças na regulamentação da Telemedicina. Ainda não existe uma data prevista para a publicação de uma nova resolução.

Curtiu o assunto? Saiba mais sobre inovação e diferentes tecnologias aplicadas à medicina; clique aqui.

Fontes: Portal Telemedicina, Ventrix.

Gostou? Compartilhe!