Pesquisa descobre anticorpo que bloqueia infecção da covid-19

31 de maio de 2020 5 mins. de leitura
Testes feitos em culturas de células identificaram novo agente capaz de frear a proliferação do Sars-CoV-2, o vírus causador da covid-19

Cientistas da Universidade de Utrecht, nos Países Baixos, deram um importante passo no combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus. Por meio de um estudo conduzido pelos pesquisadores do Erasmus Medical Center e do Harbour BioMed foi descoberto um anticorpo monoclonal capaz de prevenir a proliferação de Sars-CoV-2 em células controladas em laboratórios.

O artigo publicado na Nature Communications traz uma importante contribuição para o desenvolvimento de medicamentos efetivos contra a covid-19 (que já infectou mais de 5 milhões de pessoas pelo mundo e foi responsável por mais de 300 mil mortes). Apesar dos avanços no campo de pesquisa, ainda falta a realização de testes em humanos.

Leia Mais: Insônia e estresse elevado são resultados da pandemia

Progresso nas pesquisas

Laboratórios ao redor do mundo têm batalhado para desenvolver remédios contra o novo coronavírus. (Fonte: Shutterstock)

O estudo holandês surge como um passo importante para a criação de um anticorpo com material totalmente humano que possa ajudar no combate à infecção pelo novo coronavírus. Na maioria dos casos, o desenvolvimento de anticorpos passa pelo desenvolvimento em outras espécies antes de poder ser introduzido no corpo humano — o que leva muito tempo.

De acordo com o professor associado na Universidade de Utrecht e um dos líderes do estudo, Berend-Jan Bosch, tudo começou pela análise de similaridades entre o Sars-CoV-2 e o vírus responsável pela epidemia de Sars em 2003. Bosch relatou em sua pesquisa que o anticorpo consegue se ligar a uma propriedade existente nos dois vírus, o que explicaria sua efetividade contra as infecções provocadas por ambos.

Ao grudar-se no Sars-CoV-2, o anticorpo adquire o potencial de mudar o rumo de uma infecção dentro de um indivíduo atingido pela doença, ajudar o organismo no processo de purificação ou até mesmo proteger pessoas não infectadas pela covid-19 e que estão expostas à doença.

Covid-19: Brasil ainda está no início do surto

Com o sucesso comprovado do novo anticorpo, a equipe de pesquisa acredita ter encontrado uma importante ferramenta para possíveis doenças futuras decorrentes de outros tipos de coronavírus. Dessa forma, visto que o agente obteve sucesso na neutralização dos dois vírus, ele pode servir como peça-chave para pesquisas futuras.

O desenvolvimento de medicamentos

“A descoberta de um novo anticorpo pode ser uma etapa importante na produção de medicamento eficiente contra a covid-19”, é o que diz Frank Grosveld, coautor da pesquisa. Como o agente é feito de material completamente humano, o professor de Biologia da Célula, no Erasmus Medical Center, acredita em uma queda considerável na probabilidade de efeitos colaterais causados pelo sistema imunológico.

O fundador do Harbour BioMed, Dr. Jingsong Wang, caracterizou o trabalho como uma “inovação no campo de pesquisa”. Para Wang, ainda existe um caminho longo a ser percorrido na busca por diminuir os impactos do vírus na sociedade, mas as novas tecnologias têm surgido para auxiliar o sistema de saúde durante a pandemia.

Apesar dos primeiros resultados positivos em laboratório, ainda existe um extenso trajeto a ser seguido antes do anticorpo poder ser utilizado na produção de remédios que combatam o novo coronavírus. Durante a próxima fase, a Universidade de Utrecht deve conduzir experimentos em seres humanos para comprovar a total efetividade da descoberta.

A jornada para descobrir anticorpos no mundo

Anticorpo se liga ao vírus infeccioso para neutralizar sua ação no corpo humano. (Fonte: Shutterstock)

Um esforço coletivo tem sido traçado pela comunidade científica na busca pela descoberta de um anticorpo que seja eficiente na prevenção à covid-19. Nos Estados Unidos, o Laboratório Xavier Saelens, em parceria com a Universidade do Texas, anunciou ter realizado o isolamento e a caracterização de um anticorpo capaz de se ligar ao novo coronavírus.

Saiba também: Desmatamento pode favorecer novas pandemias

Por meio da análise do material proveniente de Lhamas, os cientistas conseguiram observar como o anticorpo se liga à proteína spike do vírus e consegue neutralizá-la. Esta permite a entrada do vírus no corpo humano, portanto anular sua ativação é um passo fundamental para impedir a proliferação do vírus.

Ao contrário das vacinas, o uso de anticorpos fornece uma proteção com curto prazo de duração àqueles que os recebem. Entretanto, ao disponibilizar proteção imediata aos seus receptores, os anticorpos surgem como um recurso importante na busca por respostas que desacelerem a disseminação da covid-19 na sociedade.

A utilização desses agentes para a formulação de um medicamento de combate à doença deve ser uma das primeiras medidas para diminuir a exposição dos chamados “grupos de risco” e reduzir os impactos que a doença tem causado na humanidade.

Interessou-se pelo assunto? Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar. Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Science Daily e Nature.

Gostou? Compartilhe!