Ventilador pulmonar será produzido por brasileiros

22 de setembro de 2020 4 mins. de leitura
Senai e Russer foram selecionados para fabricar ventilador pulmonar para tratamento de covid-19 em parceria com a Nasa

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) em parceria com a empresa brasileira Russer vão produzir ventiladores pulmonares para o tratamento de pacientes com covid-19. O projeto do equipamento foi desenvolvido pela Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa), que não cobrará royalties durante o período da pandemia.

Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar.

Por conta da alta demanda provocada pela crise sanitária, os equipamentos ficaram escassos em todo o mundo e diversas empresas e instituições se movimentaram para fabricar os aparelhos. Engenheiros do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa conseguiram realizar um projeto de ventilador pulmonar mais barato do que a média do mercado.

A agência espacial realizou uma chamada pública para fabricação dos instrumentos e selecionou 331 empresas de vários países em uma primeira rodada. Em um segundo momento, 28 companhias foram selecionadas para produzir o material, entre elas a brasileira.

Desenvolvimento do projeto

Protótipo de ventilador pulmonar específico para a covid-19 foi desenvolvido por iniciativa de engenheiros da NASA no início da pandemia. (Fonte: NASA/Divulgação)
Protótipo de ventilador pulmonar específico para a covid-19 foi desenvolvido por iniciativa de engenheiros da NASA no início da pandemia. (Fonte: NASA/Divulgação)

O projeto do ventilador pulmonar foi desenvolvido em 37 dias pela Nasa. Inicialmente, o Ventilator Intervention Technology Accessible Locally (Vital) não substituiria os ventiladores hospitalares atuais, que podem tratar uma ampla gama de outros problemas médicos, além da covid-19.

O equipamento foi construído por iniciativa dos próprios engenheiros da agência espacial, logo no início do crescimento dos números da pandemia, antes mesmo que a maioria das pessoas soubesse da importância desses ventiladores. Mais de 50 pessoas trabalharam no desenvolvimento do equipamento – a maioria diretamente de casa.

O desenvolvimento do Vital também contou com a contribuição de médicos e fabricantes de dispositivos médicos. O equipamento teve um bom desempenho em testes de simulação com resultados precisos e reproduzíveis. Além disso, a configuração e operação do ventilador foram rápidas e fáceis de usar. 

O protótipo é composto por muito menos peças do que os ventiladores tradicionais e deve durar de três a quatro meses. O equipamento já recebeu autorização de uso pela Food and Drug Administration (FDA), agência responsável por proteger a saúde pública nos Estados Unidos. O instrumento também obteve licença no Brasil da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ventilador pulmonar no Brasil

Governo Federal já entregou mais de 8 mil ventiladores para estados e municípios. (Fonte: Governo Federal/Divulgação)
Governo Federal já entregou mais de 8 mil ventiladores para estados e municípios. (Fonte: Governo Federal/Divulgação)

O coronavírus pode atingir os pulmões de forma severa, apresentando como complicação a pneumonia. Nos quadros mais graves, os pacientes perdem a capacidade respirar sozinhos e precisam de suporte ventilatório. O respirador mecânico, dessa forma, é fundamental para tratar a doença em leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

No início da pandemia, o Brasil tinha mais de 65 mil ventiladores disponíveis, sendo destes, cerca de 50 mil disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O governo federal realizou a contratação de 16 mil equipamentos para reforçar o combate à covid-19 nos estados e nos municípios, em um total de cinco contratos com o valor total de R$ 787,5 milhões, com um preço médio de R$ 50 mil por unidade.

A aquisição desses itens envolve um esforço de mais de 15 instituições entre fabricantes processadores, instituições financeiras e empresas de alta tecnologia. A distribuição dos ventiladores tem sido realizada de acordo com a produção da indústria nacional, que depende de algumas peças que são importadas.

Produção em parceria com a NASA

A produção brasileira do projeto da Nasa deve custar R$ 20 mil, quase um terço da média de preço do mercado, que gira em torno de R$ 50 mil a 60 mil. Além disso, a produção da Russer com a Senai vai ampliar a produção do equipamento no Brasil, a partir de uma cadeia nacionalizada de componentes. Inicialmente, a produção do modelo da agência espacial será de 300 unidades por mês, mas ainda não previsão de quando os equipamentos estarão disponíveis no mercado.

Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Medicina SA, Agência Brasil, Ministério da Saúde, Agência Espacial Americana (Nasa), Governo Federal.

Gostou? Compartilhe!