Dependência de drogas: efeitos no cérebro e riscos à saúde

14 de julho de 2022 3 mins. de leitura
O vício em drogas é capaz de causar efeitos no cérebro e no comportamento das pessoas, podendo gerar dependência

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Vício é quando uma pessoa não consegue deixar de usar ou ingerir algo. É comum pessoas ficarem viciadas em drogas ilícitas (como cocaína, maconha e crack), lícitas (como cigarros e álcool), medicamentos, pornografia, smartphones e outras coisas e substâncias.

A vontade descontrolada de consumir algo pode fazer que a pessoa abuse das doses e sofra consequências sérias, como uma overdose.

As drogas podem causar efeitos diretos nos neurônios da pessoa. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Efeitos no cérebro

A forte vontade de consumir uma substância está relacionada com a liberação de dopamina causada pelos entorpecentes, a qual faz que o cérebro receba sinais de sensação boa e prazer, criando um aprendizado associativo entre a droga e o bem-estar. Assim, a pessoa segue buscando a droga para voltar a se sentir daquela maneira.

Como consequência disso, os neurônios passam a se acostumar com as doses de dopamina, criando necessidades de quantidades cada vez maiores dos químicos. Dessa maneira, nasce outra relação perigosa: aquela de que nada mais é capaz de oferecer o mesmo prazer que a substância.

Além disso, o uso de entorpecentes pode ocasionar sequelas cerebrais negativas, dificultando o poder de decisão, o julgamento, a memória e a capacidade de aprender.

Leia também:

Diferença entre vício e dependência

O vício é o desejo irrefreável de consumir uma substância. Quando tem vontade de usar a droga, uma pessoa viciada não se importa com o bem-estar do próprio organismo nem com aspectos financeiros, familiares ou sociais.

A dependência química envolve o mesmo desejo do vício, mas com um porém: sintomas físicos quando a pessoa tenta interromper o uso. É normal um dependente químico apresentar náuseas, enxaqueca, tremores e alucinações durante os períodos de abstinência.

Além disso, com o uso frequente, os neurônios passam a reconhecer com mais facilidade os momentos e os estímulos psicológicos e de ambiente que antecedem o uso daquela substância. Em seu blog, Drauzio Varella nomeia esse sentimento de fissura.

Os sintomas da abstinência podem fazer o usuário querer voltar a consumir a substância. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Abuso e tolerância às drogas

Outros dois pontos que têm relação com a dependência de entorpecentes são o abuso e a tolerância. O abuso pode ser visto, em alguns casos, como uma consequência da tolerância à substância. Essa relação acontece da seguinte maneira: à medida que o usuário vai usando as drogas, o organismo começa a gerar uma tolerância a elas.

Assim, as doses utilizadas antes já não têm mais efeito, fazendo que a pessoa comece a aumentar a quantidade consumida do entorpecente. Como resultado desse aumento, o risco de a pessoa sofrer uma overdose em busca de um efeito mais duradouro acaba subindo, colocando a vida do usuário em perigo.

Quer saber mais? Assista aqui a opinião dos nossos parceiros especialistas em Saúde.

Fonte: Web MD, Drauzio Varella, priorit

133090cookie-checkDependência de drogas: efeitos no cérebro e riscos à saúde