Desenvolvimento de bebês pode ser afetado pela pandemia

9 de maio de 2021 4 mins. de leitura
De acordo com especialistas, isolamento social pode afetar crianças nascidas em 2020 e 2021

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Os bebês nascidos em meio à pandemia estão enfrentando algumas consequências por conta da disseminação da covid-19. Os recém-nascidos precisam ficar em casa, totalmente isolados, seguindo recomendação médica.

Com isso, os bebês deixam de conhecer outras crianças e passam a contar apenas com os pais durante o seu desenvolvimento. A especialista em desenvolvimento infantil Nayeli Gonzalez-Gomez, da Oxford Brookes University, está realizando um estudo sobre os efeitos da pandemia em bebês de 8 a 36 meses. 

Em entrevista ao jornal The Guardian, ela disse estar descobrindo que as experiências estão variando muito em relação à vida social, já que há falta de grupos de apoio para famílias mais carentes e todo o lazer e a recreação dos bebês deixaram de existir durante esse período.

“Playgrounds são realmente importantes, pois oferecem atividades enriquecedoras, promovem a saúde infantil e beneficiam os pais que, normalmente, tinham acesso a outras famílias e podiam se ajudar”, afirmou a pesquisadora ao The Guardian.

Em meio à crise de coronavírus, crianças não brincam em parques e playgrounds e, com isso, deixam de se socializar com outros bebês (Fonte: Freepik)
Em meio à crise por causa do novo coronavírus, crianças não brincam em parques e playgrounds e, com isso, deixam de socializar com outros bebês. (Fonte: Freepik)

Segundo Gonzalez-Gomez, tanto as crianças como os pais estão sendo prejudicados com o isolamento social. Alguns relatos anônimos do estudo dizem que os bebês passaram a ter medo de outros adultos ou se tornaram apegados demais aos pais.

“Se a criança se acostumar a ficar dentro de casa, pode estar perdendo inúmeras interações que ensinariam como o mundo social funciona. Não sabemos qual será o efeito a longo prazo, mas é preciso ficar de olho”, afirmou a pesquisadora ao The Guardian.

Presença mais frequente dos pais

Crianças que ficam mais tempo com os pais em casa podem ter vantagens no desenvolvimento emocional. (Fonte: Freepik)
Crianças que ficam mais tempo com os pais em casa podem ter vantagens no desenvolvimento emocional. (Fonte: Freepik)

Por outro lado, as crianças contam com a presença mais frequente dos pais. A Dra. Liz Gregory, psicóloga clínica e consultora do Conselho de Saúde da Universidade Aneurin Bevan, no País de Gales, disse ao The Guardian que se os pais estiverem mais em casa e menos distraídos, os bebês absorvem isso de maneira positiva.

“O que costumamos esquecer é que tudo isso é novo para um bebê”, diz ela. “Você pode descarregar uma máquina de lavar louça e, enquanto estiver se voltando para interagir, o bebê vai achar isso fascinante”, afirmou Gregory ao The Guardian

Para a psicóloga, a ideia de que mais interações sociais tornam os bebês mais sociáveis no futuro é um mito. Na verdade, isso está relacionado ao temperamento, mas uma criança com apego aos pais têm mais probabilidades de criar laços mais significativos com si mesma e os outros. 

Em entrevista ao jornal, ela disse que “a certeza segura, previsível e confiável faz se sentirem mais confiantes para explorar o mundo à medida que envelhecem. O que os bebês querem e precisam, mais do que qualquer coisa, são interações com adultos seguros e confiáveis”.

O impacto da tensão e isolamento das mães

A radiologista Catherine Lebel, da Universidade de Calgary, está liderando um estudo de longo prazo para monitorar mulheres grávidas do Canadá e acompanhar os bebês com o objetivo de verificar se o isolamento causará consequências emocionais nas crianças nascidas durante a pandemia.

De acordo com entrevista da pesquisadora ao National Geographic, a tensão e o isolamento excessivos pelo qual as grávidas estão passando podem estar afetando os fetos. Ela afirma que isso pode gerar problemas cognitivos, mentais, emocionais e físicos.

Conforme uma pesquisa realizada pelo Centro Médico da Universidade Erasmo de Roterdã, os pais estão cancelando consultas importantes no pré-natal, que, normalmente, podem verificar deformações no feto ou outros problemas. Com a interrupção do acompanhamento, também há dificuldades para fazer o diagnóstico de hipertensão das mães.

Os especialistas afirmam que o medo de se contaminar com a covid-19 está gerando impactos à saúde da mulher, dificultando diagnósticos e acompanhamentos detalhados, além do isolamento social que prejudica o emocional dos pais.

Não perca nenhuma novidade sobre a área da saúde no Brasil e no mundo. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: The Guardian, Centro Médico da Universidade Erasmo de Roterdã, National Geographic.

Este conteúdo foi útil para você?

91730cookie-checkDesenvolvimento de bebês pode ser afetado pela pandemia