Uma das práticas mais efetivas para evitar a gravidez, o DIU apresenta diversos modelos com efeitos diferentes nas mulheres

Em 2017, o Ministério da Saúde anunciou a ampliação do acesso ao Dispositivo Intrauterino (DIU) de cobre no Sistema Único de Saúde (SUS), nas maternidades e nos hospitais do Brasil. De acordo com a coordenadora de Saúde da Mulher na época, Maria Esther Vilela, 1,9% das mulheres brasileiras utilizava o dispositivo como principal técnica anticoncepcional.

O DIU deve ser inserido no útero por um médico ginecologista com o objetivo de prevenir que espermatozoides alcancem os óvulos. Essa é uma das práticas mais eficientes para as mulheres que não desejam engravidar.

condom and tablet packs
(Fonte: Unsplash)

O DIU pode ser feito de diversos materiais, como cobre e prata, ou conter hormônios femininos, como o Mirena. Se comparado com os 9% de chance de falha das pílulas anticoncepcionais, o DIU apresenta índice de apenas 0,2% a 0,8%, de acordo com estudo da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos.

Por ser um sistema que não depende da ingestão diária de comprimidos, como no caso dos anticoncepcionais orais, o DIU se apresenta como uma opção efetiva e de longa duração. A maioria dos modelos tende a durar entre cinco e 10 anos. Além disso, é uma prática que oferece poucos efeitos colaterais para as usuárias.

DIU de cobre

Livre da influência de qualquer hormônio, o DIU de cobre é um dos mais comuns e costuma custar, em média, R$ 120 sem a colocação. Trata-se de um fio de prata revestido de cobre em formato de "T" ou "Y" que é posicionado dentro do útero e não apresenta material tóxico ou alérgico. Sua função é inflamar o tecido que reveste o órgão e impedir as possibilidades de uma gravidez.

Por não conter progesterona ou outras substâncias, o DIU de cobre não oferece restrições para mulheres com câncer de mama, por exemplo. Com validade média de 10 anos, as alterações bioquímicas causadas pelo material impedem que os espermatozoides fecundem os óvulos.

(Fonte: Unsplash)

DIU de prata

O DIU de prata é pensado para reduzir os possíveis efeitos colaterais nas usuárias do DIU de cobre. Essa opção também contém a substância, mas usa a prata para contrabalancear as reações; a combinação dos dois metais é o que faz com que o cobre não seja tão fragmentado no organismo feminino e aumenta a eficácia do aparelho.

Outra vantagem do DIU de prata é que ele reduz as chances da intensificação do fluxo menstrual e do aumento das cólicas nos primeiros meses. Até mesmo o seu formato em "Y" e de tamanho reduzido facilita a inserção no útero e diminui as dores do procedimento. O dispositivo de prata tende a ter duração média de 5 anos.

DIU Mirena

Conhecido como DIU hormonal ou Sistema Intrauterino (SIU), o Mirena é revestido por levonorgestrel, um hormônio sintético da progesterona responsável por afinar o endométrio e alterar o muco cervical, o que faz com que útero deixe de ser um ambiente propício para a fecundação. Enquanto o DIU de cobre pode dificultar a situação para mulheres que já sofrem com fortes cólicas e fluxo menstrual intenso, o DIU Mirena evita maiores desconfortos, já que diminui o processo inflamatório no local.

Devido à liberação de hormônios durante a aplicação do SIU, 44% das usuárias param de menstruar após 6 meses de uso. Com eficácia de 5 anos, o Mirena é indicado para mulheres com problemas de endometriose ou adenomiose, que causa atrofia do endométrio.

Fontes: Gineco, Clínica Saute.