Por que não fazer dietas restritivas?

11 de junho de 2022 3 mins. de leitura
Restrições excessivas podem facilitar o desenvolvimento de transtornos alimentares

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Com o surgimento das redes sociais, a divulgação facilitada e frequente de dietas milagrosas se tornou um grande risco à saúde de quem deseja perder peso. Algumas das opções divulgadas envolvem atitudes restritivas e drásticas, como a proibição da ingestão de determinados alimentos e jejuns prolongados.

Em 2013, pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública (FSP) e da Universidade de São Paulo (USP) perceberam que a prática de dietas restritivas potencializou comportamentos de risco e o desenvolvimento de transtornos. Recentemente, um novo estudo feito pela USP buscou reforçar essa teoria, analisando os efeitos das dietas radicais no comportamento alimentar das pessoas.

Dietas restritivas severas podem causar cansaço, irritabilidade, dor de cabeça, tontura e outras consequências. (Fonte: Yuriy Maksymiv/Shutterstock/Reprodução)

Leia também:

Novo estudo sobre restrição

A pesquisa buscou analisar a relação entre a restrição e o desenvolvimento de transtornos após a dieta. Para isso, nutricionistas enviaram um questionário para 853 jovens com o intuito de entender melhor os hábitos alimentares. Entre os participantes, 25% disseram ter seguido uma dieta low carb (evitando ao máximo o consumo de carboidratos) três meses antes do começo da pesquisa.

Risco de transtorno alimentar

Para compensar a ausência de determinados alimentos, muitos acabaram consumindo opções consideradas pouco saudáveis quando ingeridas em excesso, como carboidratos e açúcares. Consequentemente, devido ao sentimento de culpa gerado por tal atitude, constatou-se que esse grupo acabou apresentando um comportamento similar ao de quem tem algum transtorno alimentar.

De acordo com a pesquisa feita pela USP, mesmo que os participantes estivessem evitando arroz e pão, consumiam outros alimentos, como chocolate, em proporções semelhantes ou até maiores do que o recomendado — reflexo das restrições à mesa.

(Fonte: Pexel/Engin Akyurt/Reprodução)
Dietas low carb consistem em evitar o consumo de alimentos ricos em carboidratos, como pão. (Fonte: Engin Akyurt/Pexels/Reprodução)

Segundo a pesquisa, 7,5% dos que seguiam a dieta low carb assumiram que faziam a indução de vômito ou o uso de laxante após a ingestão de arroz, pão e afins para evitar uma recaída nos resultados da dieta.

É importante ressaltar que a falta de consumo de alguns alimentos, em especial dos que contêm carboidratos, pode agravar quadros de ansiedade e depressão, segundo o Centro Especializado em Transtornos Alimentares (Ceta). Por isso, em caso de sintomas relacionados à compulsão alimentar, bulimia ou anorexia, busque a ajuda de um especialista em Saúde.

Quer saber mais? Confira a opinião e a explicação dos nossos parceiros especialistas em Saúde.

Fonte: Nutrição Brasil, Ceta, Asbran

Este conteúdo foi útil para você?

130050cookie-checkPor que não fazer dietas restritivas?