Como usar 5 wearables médicos a favor da saúde

3 de janeiro de 2022 4 mins. de leitura
Utilização incorreta pode causar impactos na saúde psicológica, na qualidade de vida e nos cuidados de saúde

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Os wearables de saúde têm variadas funções médicas, como monitorar a frequência cardíaca, medir a temperatura e até dar indicações de programas de condicionamento físico para serem realizados em casa. Esses equipamentos são úteis para melhorar a vigilância em tempo real de doenças respiratórias e facilitar a detecção de arritmias cardíacas.

O acesso ilimitado a informações digitais de wearables médicos pode motivar alguns pacientes a adotar comportamentos saudáveis. No entanto, esses dados podem impactar a saúde mental, de acordo com um estudo sobre ansiedade em pessoas com fibrilação atrial, um tipo comum de arritmia cardíaca, publicado no Cardiovascular Digital Health Journal.

Leia mais:

5 tecnologias que já estão revolucionando a medicina • Summit Saúde

IA mede glicemia por meio de batimentos cardíacos • Summit Saúde

Apple Watch: monitoramento cardíaco já conseguiu salvar vidas • Summit Saúde

Com base em entrevistas diagnósticas e questionários validados, Lindsey Roman, professora do departamento de Medicina da Universidade de North Carolina Wilmington, demonstrou que existe maior ocorrência de ansiedade, pior qualidade de vida e aumento de consumo de serviços de cuidado em saúde.

Entretanto, quando bem utilizadas, as tecnologias aumentam o monitoramento. Por isso, é importante deixar a interpretação dos dados produzidos pelos wearables de saúde para um médico, evitando preocupação excessiva com as informações coletadas.

1. Rastreadores fitness

Esses dispositivos de pulseira são equipados com sensores para monitorar a atividade física e a frequência cardíaca dos usuários. Muitos rastreadores de condicionamento físico fornecem recomendações de saúde e bem-estar, com informações sincronizadas com vários aplicativos de smartphone. Existem modelos capazes de identificar o estresse com cronômetro de relaxamento de respiração e leituras de consumo máximo de oxigênio (VO2 máximo).

2. Smartwatches

Smartwatch pode fornecer eletrocardiograma. (Fonte: Lord Beard/Shutterstock)
Smartwatch pode fornecer eletrocardiograma. (Fonte: Lord Beard/Shutterstock)

Antes usados apenas para contar passos e dizer o tempo, os smartwatches se transformaram em ferramentas clinicamente viáveis para a saúde. Os dispositivos mais avançados contam com rastreamento automático de exercícios, monitoramento cardíaco e do sono, acompanhamento de estresse e treinamento avançado de corrida.

3. Monitores de ECG

Os monitores de eletrocardiograma (ECG) vestíveis estão na vanguarda da eletrônica de consumo e são capazes de monitorar o ritmo e a frequência cardíaca, bem como medir outros sinais vitais, incluindo a pressão arterial. O KardiaMobile 6L da AliveCor, por exemplo, foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) para detectar fibrilação atrial, bradicardia e taquicardia. Os resultados saem em menos de um minuto.

4. Monitores de pressão arterial

Vestíveis ajudam a monitorar saúde em tempo real, permitindo enviar alertas para o médico. (Fonte: Diagana Gordic/Shutterstock)
Vestíveis ajudam a monitorar saúde em tempo real, permitindo enviar alertas para o médico. (Fonte: Diagana Gordic/Shutterstock)

A Omron Healthcare lançou o HeartGuide em 2019, o primeiro monitor de pressão arterial vestível que mede a pressão arterial e a atividade diária, incluindo medidas tomadas e calorias queimadas. Ao longo dos últimos anos, a Omron desenvolveu monitores de pressão arterial mais usáveis que calculam a pressão arterial média diária do usuário e o alertam se houver alteração da pressão arterial sistólica.

5. Biossensores

Os biossensores vestíveis ainda estão em estágio inicial no que diz respeito ao desenvolvimento e à adoção em larga escala, mas têm potencial para revolucionar a telemedicina e a assistência médica remota. Esses dispositivos são sensores portáteis em forma de luvas, roupas, bandagens e implantes que criam um feedback bidirecional entre o usuário e o médico e permitem o diagnóstico contínuo e não invasivo de doenças e o monitoramento da saúde a partir do movimento físico e dos biofluidos.

Fonte: The Verge, Cardiovascular Digital Health Journal, Business Insider. 

Este conteúdo foi útil para você?

113620cookie-checkComo usar 5 wearables médicos a favor da saúde