Covid-19: soroprevalência mostra desigualdade na pandemia

20 de julho de 2020 5 mins. de leitura
Pessoas mais pobres e moradoras de periferias são mais afetadas pela doença

Um projeto liderado pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo mostrou que há 2,5 vezes mais pessoas negras contaminadas pela covid-19 do que pessoas brancas — a soroprevalência é de 19,7% no primeiro grupo, contra 7,9% do segundo.

Conheça o Summit Saúde, um evento que reúne as maiores autoridades do Brasil nas áreas médica e hospitalar.

Como analisa uma matéria publicada pela revista Radis, da Fiocruz, as condições de saneamento e moradia são muito desiguais no Brasil. Quem mora nas periferias das grandes cidades ou em comunidades indígenas, quilombolas ou ribeirinhas têm menos acesso a serviços públicos e condições para seguir as recomendações de “ficar em casa”. Como observou o conselheiro de saúde Moysés Toniolo na reportagem, “há famílias inteiras, com muitas pessoas, dividindo o mesmo espaço, “inclusive sem saber que alguma já pode estar infectada”.

Periferias têm menos estrutura para enfrentar pandemia (Fonte: Unsplash)
Periferias têm menos estrutura para enfrentar pandemia. (Fonte: Unsplash)

Pandemia explicita desigualdades sociais

O conselheiro também ponderou que as recomendações de ficar em casa afetam especialmente os trabalhadores informais, como diaristas e vendedores ambulantes, que precisam sair para garantir o seu sustento.

Além disso, há grupos que nem mesmo têm uma casa onde ficar, como as pessoas em situação de rua. “A gente não pode esquecer essas populações e temos que zelar para que elas tenham a atenção do Estado”, afirma Toniolo.

Dessa forma, a pandemia dá uma nova dimensão para as desigualdades que sempre existiram no Brasil. “Apesar de a pandemia ser a mesma para todo mundo, os acessos e as estruturas são diferentes”, observou a professora Soraia Rodrigues, líder comunitária do Grajaú, em entrevista ao Estadão. “Vejo questões urgentes hoje, como alimentação e saneamento básico, e também de saúde mental na periferia”, ela afirmou.

Esse cenário também se repete nas condições de higiene e de proteção. Em entrevista à Radis, a líder indígena Célia Xakriabá relatou: “Quando as pessoas falam em acesso aos equipamentos de proteção individual (máscara, luva, álcool em gel), as famílias nas aldeias nem sabem o que é isso”. Segundo ela, as características de vida comunitária presentes nas aldeias indígenas contrastam com o isolamento imposto pela pandemia e podem favorecer a disseminação do novo coronavírus entre esses povos.

Povos indígenas estão sendo especialmente atingidos pela pandemia (Fonte: Wikimedia Commons)
Povos indígenas estão sendo especialmente atingidos pela pandemia. (Fonte: Wikimedia Commons)

“Onde a pessoa mora também é um risco”

A Rede Nossa São Paulo cruzou os dados do Mapa da Desigualdade com os números de mortes pela covid-19 — divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde — e descobriu que os bairros com mais mortes têm três vezes mais domicílios em favelas.

Regiões como Brasilândia e Sacomã tinham mais de 500 óbitos já em meados de junho, quando a pesquisa da Rede Nossa São Paulo foi publicada. Essas regiões têm três vezes mais domicílios em favelas — entre 25% e 30% — do que a média da cidade. O levantamento também observou que bairros com maior população preta e parda também apresentaram mais óbitos por covid-19: no Jardim Ângela (60% de pretos e pardos) há 5,5 vezes mais mortos do que em Alto de Pinheiros (8%).

“Se na Europa a covid-19 foi um risco para quem tinha mais idade, aqui no Brasil onde a pessoa mora também é um risco”, afirmou o coordenador geral da Rede, Jorge Abrahão, em entrevista ao Estadão.

Desigualdade comprovada pelos números

Dados mais recentes, divulgados no início de julho pelo projeto SoroEpi — uma iniciativa de monitoramento da soroprevalência, liderada pela Universidade de São Paulo e pela Secretaria da Saúde do Estado — também demonstram que a covid-19 atinge pessoas de diferentes estratos sociais e de formas distintas.

Os testes sorológicos apontaram que 19,7% das pessoas adultas pretas analisadas possuem anticorpos contra o Sars-CoV-2, parcela que caiu para 7,9% entre as brancas. Estratificando pelo nível de escolaridade, a pesquisa mostrou que a soroprevalência entre pessoas que não completaram o Ensino Fundamental é 4,5 vezes maior do que entre aquelas que concluíram o Ensino Superior — 22,9% contra 5,1%.

A diferença se repete quando foi analisado o número de moradores por domicílio: aqueles com cinco pessoas ou mais apresentou 15,8% das pessoas com anticorpos, já aqueles com apenas um ou dois moradores, 8,1%. Por fim, os dados também demonstraram que o Sars-CoV-2 atingiu 16% da população dos bairros mais pobres, contra 6,5% dos mais ricos.

O projeto SoroEpi — que está em sua segunda fase, após um projeto-piloto, em maio recolheu e analisou 1.183 amostras de sangue em 115 setores censitários, em diversas regiões da capital paulista. Além dos dados sobre desigualdade, a segunda fase do projeto também apontou que a soroprevalência aumentou em toda a cidade: 4,7% dos paulistanos tinham anticorpos em maio contra 11,4% nos dados mais recentes.

Interessou-se pelo assunto? Acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Estadão, Revista Radis/Fiocruz e SoroEpi (via LabNetwork).

Gostou? Compartilhe!