Farmácia hospitalar: qual é o futuro do atendimento ao paciente?

30 de maio de 2022 4 mins. de leitura
Profissionais da farmácia hospitalar devem se aproximar do público e estar atentos a digitalização do setor

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

A importância da farmácia hospitalar foi impulsionada pela pandemia da covid-19, em que farmacêuticos tiveram importante contribuição na gestão de medicamentos e possíveis tratamentos.

A crescente onda nas terapias medicamentosas e a escassez de profissionais são alguns dos grandes desafios para os departamentos farmacêuticos dentro dos hospitais. Para contornar essas questões, o futuro da farmácia hospitalar exige mais aproximação com pacientes e nos cuidados na Saúde.

Qual é o papel do farmacêutico hospitalar na Saúde?

O farmacêutico que opta por atuar dentro das unidades hospitalares trabalha em diversas funções relativas à gestão do setor, entre elas:

  • integrando equipes para o controle de infecções hospitalares;
  • estudando, desenvolvendo e manipulando radiofármacos;
  • gerenciando o ciclo completo dos medicamentos dentro da unidade;
  • acompanhando e avaliando a segurança de resíduos e medicamentos.
A farmácia hospitalar é o setor responsável por gerir e acompanhar a manipulação de medicamentos em unidades hospitalares. (Fonte: National Cancer Institute/Reprodução)
A farmácia hospitalar é o setor responsável por gerir e acompanhar a manipulação de medicamentos em unidades hospitalares. (Fonte: National Cancer Institute/Unsplash/Reprodução)

Leia também:

4 pilares da farmácia hospitalar

Para garantir o melhor atendimento aos pacientes em hospitais, existem quatro pilares essenciais que sustentam a farmácia hospitalar, sendo:

  1. planejamento — organizando os dados administrativos da área, como cadastro de pacientes e custos financeiros;
  2. controle de estoque — registrando a demanda e o consumo de medicamentos;
  3. gestão de resíduos — garantindo a redução de desperdícios a partir, por exemplo, de metas para fornecimento e armazenamento de medicações;
  4. operação digital — concentrando os diferentes processos em softwares que vão otimizar o trabalho do setor farmacêutico.

Como a farmácia hospitalar atua na telemedicina?

Com a implementação da telemedicina no mundo todo, a tendência é de que a farmácia hospitalar deixe de estar somente associada ao gerenciamento de medicamentos e esteja mais próxima do público, gerando mais interação entre farmacêuticos e pacientes.

Farmacêuticos hospitalares foram primordiais durante o Covid-19 para identificar o funcionamento de diferentes medicações e tratamentos para os sintomas do vírus. (Fonte: Chokniti Khongchum/Reprodução)
Farmacêuticos hospitalares foram primordiais durante a covid-19 para identificar o funcionamento de diferentes medicações e tratamentos para os sintomas do vírus. (Fonte: Chokniti Khongchum/Pexels/Reprodução)

Para que esse processo funcione de forma mais eficiente, sistemas digitais contribuem para atividades como:

  • flexibilização do funcionamento da farmácia hospitalar;
  • aumento na eficiência do gerenciamento de medicações;
  • maior eficácia no abastecimento e reposição de estoques;
  • aproximação dos farmacêuticos com distribuidores e fornecedores.

Qual é o futuro da farmácia hospitalar no atendimento ao paciente?

O futuro aponta para questões importantes na relação entre farmacêuticos e pacientes para promover o melhor atendimento e otimizar o gerenciamento de medicações e das equipes farmacêuticas.

Para isso, o setor precisa estar atento aos seguintes pontos:

  • digitalização — aprimorando a segurança de medicamentos e da cadeia de suprimentos, aliviando desafios referentes às equipes;
  • participação ativa — garantindo um papel mais ativo de farmacêuticos dentro das unidades hospitalares;
  • transparência e colaboração — aproximando farmacêuticos de fornecedores;
  • sistema de dados — coletando e analisando dados a fim de identificar medicações disponíveis em parceiros distribuidores para melhorar a resposta aos tratamentos de pacientes.

Um setor farmacêutico autônomo reforça a possibilidade das organizações associarem a farmácia hospitalar com outros departamentos, assegurando um atendimento ao paciente cada vez mais seguro e eficiente.

Quer saber mais? Assista aqui à opinião e explicação dos nossos parceiros especialistas em saúde.

Fonte: MedCityNews, Pharmacy Times.

Este conteúdo foi útil para você?

128680cookie-checkFarmácia hospitalar: qual é o futuro do atendimento ao paciente?