O que é vitiligo e como tratar?

28 de julho de 2022 5 mins. de leitura
Doença não tem cura, mas com orientação médica é possível melhorar a aparência da pele

Conheça o maior e mais importante evento do setor de saúde do Brasil.

Vitiligo é um distúrbio crônico caracterizado pela despigmentação da pele. A doença não causa maiores danos à saúde e existem tratamentos que, quando feitos em pessoas com diagnóstico precoce, podem ajudar a interromper a perda de cor da pele e até recuperar a pigmentação.

A doença causa o surgimento de manchas brancas na pele com tamanhos e formatos variáveis. O artigo científico An update on Vitiligo pathogenesis, liderado pelo pesquisador Julien Seneschal e publicado no periódico médico Pigment Cell & Melanoma Research, sugere que entre 0,5% e 2% da população mundial possam ser acometidos pela doença.

Manchas causadas pelo vitiligo podem aparecer em todo o corpo. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Quais são as causas do vitiligo?

Ainda não há consenso sobre o que causa o vitiligo. A principal hipótese é que ela seja uma doença autoimune, quando o próprio corpo ataca células específicas. Nesse caso, o corpo destrói os melanócitos, que produzem a melanina.

Normalmente, pessoas acometidas pelo vitiligo têm outras doenças autoimunes, como diabetes, doenças da tireoide e artrite reumatoide. Em 30% dos casos, pode ter relação com hereditariedade.

Outra hipótese é que o vitiligo surja após determinadas substâncias entrarem em contato com pintas no corpo, o que gera a destruição dos melanócitos. Também há suspeita de que algumas substâncias, como a hidroquinona, encontrada em borrachas e outros tipos de tecido, possam provocar a despigmentação.

Além do contato com essas substâncias, também há evidências de fatores emocionais, como depressão, luto e outros traumas, poderem desencadear a doença.

Leia também:

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado por meio de exame clínico. Normalmente, a mera observação de um médico basta para diagnosticar a doença. As manchas são bastante características e surgem mais comumente em locais como joelhos, cotovelos, dedos, pernas, punhos, axilas, região lombar e áreas em torno da boca, do ânus, dos olhos e do nariz. Para pessoas muito brancas ou para confirmação do diagnóstico pode ser realizada a biópsia da pele.

Existem dois tipos de vitiligo: o segmentar e o não segmentar. O segmentar é mais comum em crianças e afeta apenas um lado do corpo. As manchas são irregulares, de cor heterogênea e mais comuns no rosto. Em geral, essas manchas se estabilizam e não têm relação com doenças autoimunes.

O vitiligo não segmentar é o mais comum e afeta os dois lados do corpo, por exemplo os dois pés, as duas mãos ou os dois olhos. Normalmente, acontece mais tarde e evolui de forma imprevisível, inclusive com períodos de melhora e estagnação. Nesse tipo, as manchas costumam ter a borda bem definida e a despigmentação é homogênea. O vitiligo não segmentar é o que tem mais relação com doenças autoimunes.

Tratamentos e convivência com a doença

O vitiligo não é transmissível. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), normalmente a doença se manifesta entre os 13 anos e os 22 anos, mas não há limite de idade para seu aparecimento.

No geral, a despigmentação não causa nenhum outro sintoma de saúde, mas alguns pacientes podem relatar coceira durante o surgimento de novas manchas ou hipersensibilidade nas partes despigmentadas.

Pessoas com a doença podem ser acometidas psicologicamente, já que há muito preconceito contra essa doença. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Roupas apertadas, fricção ou muito contato com a pele e exposição ao sol podem aumentar as manchas. Por isso, indivíduos que queiram controlar ou reduzir o tamanho e o número de manchas devem tomar muito cuidado com a pele.

O vitiligo não tem cura, mas é uma doença benigna, sendo que existem alguns tratamentos que podem impedir o crescimento de manchas e o surgimento de novas, em alguns casos até há relato de retorno da pigmentação original da pele sem o uso de medicamentos.

Entre os tratamentos mais indicados estão os tópicos com imunomoduladores e corticosteroides; também existem aqueles com luz, chamados de fototerapia; outros com laser e até cirurgia para transplante de melanócitos.

Quer saber mais? Assista aqui a opinião dos nossos parceiros especialistas em Saúde.

Fonte: Pigment Cell & Melanoma Research, Universiteit Gent, National Library of Medicine, Sociedade Brasileira de Dermatologia, Hospital Albert Einstein, Dráuzio Varella

134640cookie-checkO que é vitiligo e como tratar?